Séries Para o Verão, por Jorge Nascimento

Enquanto todos estão desejosos que o Verão acabe para finalmente termos de novo no ar uma Casa dos Segredos (não mintam, sei que é o evento de TV em todo o mundo mais esperado por todos este ano) há que ter qualquer coisa, além de sol, calor, areia e mar, para se entreterem.

Como de costume, o volume de séries disponíveis durante esta época é reduzido ao mínimo essencial, mas há algumas coisas que podem ver para contrariarem esta “seca”.

Comecemos por algo cliché – “Wipeout”:
É verão, por isso claro que tinha de recomendar algo onde as pessoas levam uma porradona durante o percurso e 99% do tempo acabam a chapinhar na água ou em lama. Além disso, como não tem nada de sequencial podem ver qualquer um dos episódios, de qualquer uma das versões (US, UK, Austrália…), conforme quiserem.

Harper's Island

Mistério, gore, suspense – “Harper’s Island”:
Com apenas 13 episódios, recomendo esta série, que já é de 2009, a qualquer fã de mistério, thriller e suspense. E claro, convém não serem esquisitos com um pouco de sangue ou pessoas a ser cortadas ou desfeitas. Devido à natureza da série, também é uma boa aposta para verem acompanhados de família ou amigos e tentarem ver quem é o primeiro a acertar na pessoa responsável pelas mortes. Não é uma série sem problemas, e tem alguns mais óbvios, principalmente na recta final, mas serve o propósito de entreter e colmatar a actual falta de séries deste género na TV.

Algo novo, uma aposta numa “nova” forma de distribuição – “Orange is the New Black”
Focando-se na nova vida de prisão da personagem principal, Piper (interpretada por Taylor Schilling), esta comédia/drama mostra mais uma vez que é possível ter qualidade numa série feita directamente para um formato digital, Netflix neste caso. Tem comédia, drama, tristezas e alegrias em iguais partes e, em geral, muito boas prestações por parte de todos os envolvidos. A qualidade é indiscutível mesmo que não seja para todos os gostos.

Outras sugestões para o Verão é ver ou rever séries leves, que não envolvam grande esforço para seguir a linha da história e que possam ser vistas em bite-sizes, geralmente comédias. “How I Met Your Mother”, apesar dos problemas das temporadas mais recentes, continua a ser uma das minhas favoritas para apanhar um episódio ou outro de vez em quando. Tal como a anterior, dou o mesmo tratamento a séries como “Community”, “The Big Bang Theory”, “Happy Endings”, “Modern Family”…

Uma última sugestão de forma de aproveitarem o Verão é prepararem já a rentrée com maratonas das vossas séries preferidas. Maratonas completas desde a 1ª temporada à mais recente. Além de reavivarem memória sobre o que se passou, existe uma grande probabilidade de descobrirem coisas novas em cada episódio, sejam pequenos ou grandes detalhes.

Under the Dome

Mas com isto tudo, é claro que existem boas séries actualmente a serem transmitidas/lançadas. Aliás, de séries deste verão (ou pelo menos com uma grande parte transmitida depois do fim da temporada normal), recomendam-se as seguintes:

  • “Breaking Bad”
  • “Orange is the New Black”**
  • “Dexter”
  • “Falling Skies”*
  • “Under the Dome”
  • “Top Gear”*
  • “The Killing” (melhorou bastante, na minha opinião)

*Séries transmitidas este verão, mas cujas temporadas já terminaram. Ainda assim, recomendadas.
**Lançada na íntegra num só dia no Netflix.

Seja o que for que decidirem fazer para ocupar o vosso Verão, opções não faltam, sejam séries de qualidade ou algumas mais mazinhas apenas para serem vistas como fast-food.

Anúncios

Séries para o Verão, por João Bizarro

Verão é sinónimo de férias e com elas ficamos com mais tempo (será?) para ver as tão desejadas séries.

Neste Verão não devo ver nenhuma das séries antigas, a não ser que alguém me convença a fazê-lo. Pelo que, serão séries que estão neste momento a decorrer e outras que estreiem entretanto, que me irão ocupar o tempo destinado para este efeito.

De momento estou a acompanhar a ultima temporada de Dexter, à espera de ver o que acontece ao meu serial-killer favorito. Uma série com um bom fio condutor mas que não soube ser consistente durante todas as temporadas que teve (e já vai em 8). Teve algumas excelentes temporadas e depois outras menos conseguidas, o que deve ter levado algumas alminhas a abandonar a série. Eu cá me mantenho fiel, à espera de um final digno das melhores temporadas.

the killingOutra das séries que tenho acompanhado é The Killing. É a melhor série do género crime/investigação/mistério dos últimos tempos. Até me atrevo a dizer que desde Twin Peaks não se via uma série assim. Curiosamente, dentro do meu círculo de amigos, virtuais ou reais, devo ser dos poucos que acompanha a série. Noto isso pela falta de feedback do outro lado. Fazem mal. Fazem mesmo muito mal.

Outra série deste género, que estreou há pouco tempo e a qual comecei a acompanhar, é The Bridge. Os primeiros 2 episódios prometeram. Espero que a qualidade se mantenha ou até que melhore, pois tem potencial para isso.

Outra série que estreou há pouco a sua 3ª temporada é Luther. É uma série britânica, da qual gostei bastante nas temporadas anteriores e que tem um grande actor no papel que lhe dá nome, Idris Elba. A ver.

bbDas que vêm aí vou de certeza ver os 8 episódios finais da melhor série do momento, Breaking Bad. O cerco começa a apertar-se em redor de Walter e depois de 4 temporadas e meia ao mais alto nível, vamos ver como Vince Gilligan dá um fim ao enredo.

Quase na mesma altura estreia a 3ª temporada de Hell on Wheels, outra série que não deve ter muitos espectadores em Portugal. Gostei muito das temporadas anteriores, e o tremendo final da 2ª temporada deixou-me com água na boca em relação a uma possível 3ª temporada. Na altura ainda não estava confirmado se a série voltaria mas assim que se soube, recebi a notícia com agrado pois não queria ver mais uma história terminar sem que os pontos estivessem em todos os is.

Não deve passar muito disto, o meu Verão, a nível de visionamento de séries. E o vosso, como vai ser?

Um pouco mais de verão

orphan-black-feature

O verão é tendencialmente a época do ano que eu mais gosto em relação ás séries, ao contrário da fall season que é altamente cansativa para perceber o que é bom ou mau das quantidades industriais de séries que estreiam ou regressam. Nesta época ficamos mais à vontade há menos séries e é possível ir buscar o que ficou atrasado. Depois há a vantagem das temporadas serem mais curtas e a qualidade da maioria das séries não desilude.
Vou fazer uma breve ronda pelo que tenho visto nestes últimos tempos, não são necessariamente as séries que estrearam no verão mas sim as que eu tenho visto agora,  que serve também de sugestão para quem não sabe o que ver. Naturalmente a maioria das sugestões são do cabo como seria de esperar mas este ano os canais abertos até apostaram um pouco mais do que o habitual embora a qualidade comparativamente ao cabo seja de lamentar. A seguir ao salto.

Continuar a ler

Novo ano, (não tão) novas séries!

Como é tradição, um ano novo faz-nos sempre pensar nos objectivos que pretendemos concretizar e assim fazemos uma lista de resoluções com todos esses desejos. Não fujo à regra. Também eu faço uma lista (mental) do que gostaria de realizar mas chego à conclusão que .fora os habituais “arranjar emprego” e o “acabar o curso”, a minha lista torna-se um pouco mais extensa porque dou por mim a pensar que séries é que quero ver naquele ano. Claro que tal como outra lista, alguns dos elementos dessa lista são esquecidos e poucas são concretizadas. No ano passado, coloquei Battlestar Galactica e West Wing, como as séries a ver, entre outras. Só vi a primeira, todas as outras foram esquecidas (deixadas de lado) pelo tempo e pela preguiça.

Neste novo ano, 2013, West Wing continua na lista, qual o típico “emagrecer 5 kgs” (no meu caso, seria engordar) que ocupa a lista de todos nós dia 1 de Janeiro, mas dia 2 já estamos no meio de doces e comidas até enfartar. Por vezes essas séries são, como os doces, Guilty pleasures, sabemos que são de má qualidade e que nos fazem mal mas continuamos a ingerir sem olhar para trás, sabendo que poderíamos estar a comer/ver algo melhor, que encha e nos faça reflectir. Mas ainda em relação a séries, que foi o que me trouxe cá, pretendo ver também este ano séries como Justified, The Wire (comida pesada mas que parece satisfazer muitos), The Killing, Pushing Daisies (docinho docinho) e outras. No entanto, comecei a ver Veronica Mars, outra que andei a “evitar” durante algum tempo, por achar que ao provar não ia gostar. Pois bem, estava enganada. Não enche, satisfaz bastante e prende-me até à próxima dentada.

Espero, ao longo deste ano, apresentar crónicas sobre estas séries, os novos pratos (tenho mesmo de parar com esta parvoíce de analogia) que pretendo ver, para fazer uma análise mais aprofundada. Entretanto se tiverem outras sugestões, outras recomendações, digam. Decidi que este ano vou deixar-me de parvoíces e vou sair da minha área de conforto e talvez experimentar outros géneros a que não estou habituada, por isso estejam à vontade. Não prometo que realmente as veja mas fica a dica para o futuro.

Digam-me qualquer coisa e eu vou ao restaurante mais próximo. 😉

Até breve.

MALTA– os Momentos Altos (e Lows) da TV deste Ano

Melhor Série: Bron/Broen
Bron/Broen começa com um cadáver posto exatamente sobre a linha de fronteira da ponte de Øresund, que liga Copenhaga a Malmö. Cadáver cortado, a coincidir com a linha de fronteira e obriga à colaboração entre a polícia dinamarquesa e sueca. Colaboração que cria o mais inesperada, surpreendente e disfuncional parelha televisiva, Saga Norén e Martin Rohde.

Melhor Personagem: Birgitte Nyborg (Borgen)

A inesperada prmeira-ministra dinamarquesa que tem de gerir manter a sua humanidade com os golpes necessários para conseguir os seus objetivos políticos. JR Ewing mas com consciência. A série é fabulosa.

Maior surpresa: A melhor ficção televisiva do momento está a ser feita na Dinamarca.

Bron/Broen é escolhida como melhor série por que a temporada de estreia termina neste ano, mas podia ter escolhido a terceira temporada de Forbrydelsen ou a segunda temporada de Borgen. Séries acerca de pessoas com defeitos. Personagens sem agentes e produtores a interferir na criação de um personagem interessante com medo de rejeição por parte das audiência do seu cliente ou da personagem.

Série que me fez dizer mais f***-**: Clínica Privada.

Como é possível have produtores tão estúpidos que tentam 3 vezes a mesma coisa esperando resultados diferentes. A KaDee Strickland é a pior atriz de todos os tempos. Faz a Pia Zadora parecer competente e  a Miley Cyrus parecer talentosa. Pois aquelas antas dos produtores da Clínica Privada tentaram reconstruir a série em torno dela 3 vezes depois de na temporada 2 o episódio em que teve a história principal  ter sido o detentor do recorde de audiências perdidas entre a primeira e a  segunda metade até à estreia de Smash. A ABC realizou a tempo que não era possível e cancelou a série quando ela julgava que ia ficar dona do pedaço. Se o plano era continuar a série depois de Kate Walsh partir deviam ter escondido o resto do elenco durante 5 anos e meio até à sua partida.

Maiores expectativas: Bron/Broen

A segunda temporada vem para o fim do ano que vem, e a curiosidade é extrema. Será a série vítima do seu próprio sucesso, como Homeland ou The Killing, ou eles conseguem manter a qualidade. Para já evitaram o erro das séries americanas de fazer render o peixe de uma história que já não tem nada para dar só porque os personagens secundários se tornaram populares. O crime é resolvido. Para o ano terá de haver um novo mistério.

Menores expectativas: Homeland

Enquanto Brody continuar vivo, e a chata da filha adolescente também, Homeland deixou de ser um thriller genial para uma ser uma soap de com um enquadramento de  espionagem. Esta tipo 24 escrito pela Shonda Rhimes. A segunda temporada foi uma pepineira inenarrável e não vai melhorarar enquanto O Brody for vivo.

Série zombie: Mad Men.

Já deu o que tinha a dar e sofre do mesmo problema de saponificação de Homeland. Já não tem mais nada para dizer acerca de nenhum dos personagens, perder a integração dos episódios com os acontecimentos da época e está a introduzir personagens “cute” para encher e porque já não há mas nada a dizer acerca dos que interessavam. Está na altura de Don Draper imitar a figura dos créditos iniciais e lançar-se do escritório. Se querem melhorar sobre o genérico aterra em cima da ex e atual mulher.

Série Galinha – Continua a andar com a cabeça cortada: Anatomia de Grey.

Não via um episódio desde que Addison foi assistir ao parto de Callie, e vi um hoje. Quarenta e cinco minutos do dialogo rápido que a tornou famosa e onde não se passou rigorosamente nada. Pronto, a Arizona tem uma perna a menos, mas de resto, nada. Nem No seus piores momentos ER foi tão mau.

Séries que vocês deviam ver: Nordic Noir.

Bron/Broen, Forbrydelsen (esqueçam o a abastardado The Killing) ou Wallender para quem não gosta de ler legendas. Depois agradecem-me.

Monday’s Morning Mirror #16 – O regresso às aulas do Continente, o regresso ao trabalho por Mad Men, o regresso às drogas por Breaking Bad (ou Felizmente há AMC!)

Boas noites caros compinchas e camaradas de séries. Então, como foram essas férias? Óptimo, óptimo. Aqui, no IP, também se tirou o mês de Agosto para ir para o Algarve, mas o blogue ainda nem tem domínio próprio por isso só pode pagar uma ida à Costa da Caparica. Problemas da crise. Mas, regressou Setembro. E, com tal, o IP regressa em força. Com mais dois elementos (por agora) e com uma novidade: ESTAMOS NO FACEBOOK E NO TWITTER. Exactamente, como leram em algo escrito Caps Lock, o Imagens Projectadas apresenta-se nas redes sociais. Aproveitando a primeira crónica da temporada, ficam a saber que nestas plataformas encontrarão as últimas novidades em relação às séries, misturadas com artigos interessantes, e claro, quando possível as fotos de mamas das actrizes que se desleixem. Tudo de bom.

Mas, e dando as boas vindas a tal (e agradecer já à magnifica equipa que compõem este blog), acho que vocês não vieram aqui por causa das mariquices das redes sociais (ou, como são conhecidas ao Domingo, tempos de histeria da Casa dos Segredos). Pensei em apresentar o que achava da Fall Season, mas tal já foi dado na semana passada. E o que apresentou a Summer Season? Também já houve, no novo espaço Hits & Flops, comigo e o Miguel Bento. Assim, resta falar de um tema ao calhas. E, no meio da panóplia de temas que podia escolher, vou falar-vos dos primórdios da AMC.

Primórdios porque, nestes últimos tempos a AMC tem sido bastante irregular. Olhando para a programação original da emissora, vê-se que a partir de 2007 os produtos originais da mesma começaram a ser num número muito maior do que eram. Mad Men deu asas à fase dourada da AMC, seguida em 2008 pela melhor série que este universo viu chamada Breaking Bad. A partir daí, tivemos The Prisioner (2009), a fantástica e injustamente esquecida e cancelada Rubicon (2010), seguida de The Walking Dead e The Killing, esta já em 2011, e com este ano a termos Hell on Wheels. Antes de me fixar nas duas primeiras, produtos de excelência, diga-se que a fase dourada da AMC acabou com Rubicon. The Walking Dead prometia, mas nem se tente comparar às duas primeiras, Hell on Wheels dá sono a quem bebe 7 Red Bulls, e The Killing teve um final de primeira temporada muito manhoso (o que não me fez ver, até agora, a segunda temporada…mas será vista). O bom período de Mad Men e Breaking Bad acabou sufocado por séries, que, sem um critério tão apertado de admissão, entraram e estragaram um pouco a grelha. Mas não é disso que quero falar.

Continuar a ler

Bitaites em Série #2 – Algo sobre séries que deveriam servir para tapar buracos mas que se tornaram imprescindíveis

Lá passou mais uma silly season com o fim de mais uma temporada de séries e o consequente frenesim de se saber se A ou B seriam canceladas ou renovadas.

Algumas das séries que tinha começado a ver foram condenadas ao extermínio, sendo que aquele de que tenho mais pena, e a única dessas em que vi a primeira temporada completa foi Alcatraz. Não que a série estivesse a entusiasmar, mas como tinha dito na última crónica, irrita-me que as séries acabem a meio. Mas pronto, não foi das que me chocou mais.

Adiante…

Das séries que estão neste momento activas, apenas ando a ver Game of Thrones e The Killing, que curiosamente passam no mesmo dia. Pelo que tive de arranjar outras para “tapar os buracos”.

Uma dessas séries é Person of Interest , na qual seguimos Reese,  um ex-agente da CIA (Jim Caviezel, do remake de “O Prisioneiro” e de Paixão de Cristo), que muitos julgam morto em acção. Recrutado por Finch (Michael Emerson, o Ben Linus de “Lost”), um milionário que vive enfiado em casa, e que desenvolveu um programa de computador capaz de identificar pessoas que estão prestes a cometer, ou a ser vítimas de um crime. Os dois vão agir à margem da lei para tentar evitar que esses crimes aconteçam.

Já tínhamos visto algo do género em Minority Report, embora aqui menos sofisticado. A série tem assinatura de dois grandes nomes: JJ Abrams, que julgo dispensar apresentações e mais dissertações e Jonathan Nolan, irmão de Christepher Nolan e argumentista de Memento,  The Prestige e The Dark Knight. A série já foi renovada para 2ª temporada. A não perder.

A outra série, tem a chancela da BBC e intitula-se Inside Men. É, aliás uma minissérie. 4 episódios à volta de um assalto a uma casa-forte, que guarda o dinheiro dos bancos.  Começa com o assalto propriamente dito, com 10 minutos electrizantes, como há muito não se via em televisão e depois volta atrás no tempo para entendermos melhor o que se está ali a passar.

Entretanto Junho e Julho trazem-nos novas temporadas de séries onde iremos assistir, entre outras a mais uma temporada de True Blood e ao final de Breaking Bad.

Será que Walter se irá safar?