Séries Para o Verão, por Jorge Nascimento

Enquanto todos estão desejosos que o Verão acabe para finalmente termos de novo no ar uma Casa dos Segredos (não mintam, sei que é o evento de TV em todo o mundo mais esperado por todos este ano) há que ter qualquer coisa, além de sol, calor, areia e mar, para se entreterem.

Como de costume, o volume de séries disponíveis durante esta época é reduzido ao mínimo essencial, mas há algumas coisas que podem ver para contrariarem esta “seca”.

Comecemos por algo cliché – “Wipeout”:
É verão, por isso claro que tinha de recomendar algo onde as pessoas levam uma porradona durante o percurso e 99% do tempo acabam a chapinhar na água ou em lama. Além disso, como não tem nada de sequencial podem ver qualquer um dos episódios, de qualquer uma das versões (US, UK, Austrália…), conforme quiserem.

Harper's Island

Mistério, gore, suspense – “Harper’s Island”:
Com apenas 13 episódios, recomendo esta série, que já é de 2009, a qualquer fã de mistério, thriller e suspense. E claro, convém não serem esquisitos com um pouco de sangue ou pessoas a ser cortadas ou desfeitas. Devido à natureza da série, também é uma boa aposta para verem acompanhados de família ou amigos e tentarem ver quem é o primeiro a acertar na pessoa responsável pelas mortes. Não é uma série sem problemas, e tem alguns mais óbvios, principalmente na recta final, mas serve o propósito de entreter e colmatar a actual falta de séries deste género na TV.

Algo novo, uma aposta numa “nova” forma de distribuição – “Orange is the New Black”
Focando-se na nova vida de prisão da personagem principal, Piper (interpretada por Taylor Schilling), esta comédia/drama mostra mais uma vez que é possível ter qualidade numa série feita directamente para um formato digital, Netflix neste caso. Tem comédia, drama, tristezas e alegrias em iguais partes e, em geral, muito boas prestações por parte de todos os envolvidos. A qualidade é indiscutível mesmo que não seja para todos os gostos.

Outras sugestões para o Verão é ver ou rever séries leves, que não envolvam grande esforço para seguir a linha da história e que possam ser vistas em bite-sizes, geralmente comédias. “How I Met Your Mother”, apesar dos problemas das temporadas mais recentes, continua a ser uma das minhas favoritas para apanhar um episódio ou outro de vez em quando. Tal como a anterior, dou o mesmo tratamento a séries como “Community”, “The Big Bang Theory”, “Happy Endings”, “Modern Family”…

Uma última sugestão de forma de aproveitarem o Verão é prepararem já a rentrée com maratonas das vossas séries preferidas. Maratonas completas desde a 1ª temporada à mais recente. Além de reavivarem memória sobre o que se passou, existe uma grande probabilidade de descobrirem coisas novas em cada episódio, sejam pequenos ou grandes detalhes.

Under the Dome

Mas com isto tudo, é claro que existem boas séries actualmente a serem transmitidas/lançadas. Aliás, de séries deste verão (ou pelo menos com uma grande parte transmitida depois do fim da temporada normal), recomendam-se as seguintes:

  • “Breaking Bad”
  • “Orange is the New Black”**
  • “Dexter”
  • “Falling Skies”*
  • “Under the Dome”
  • “Top Gear”*
  • “The Killing” (melhorou bastante, na minha opinião)

*Séries transmitidas este verão, mas cujas temporadas já terminaram. Ainda assim, recomendadas.
**Lançada na íntegra num só dia no Netflix.

Seja o que for que decidirem fazer para ocupar o vosso Verão, opções não faltam, sejam séries de qualidade ou algumas mais mazinhas apenas para serem vistas como fast-food.

Descansem em Paz

Estão a ter um “Verão” bonzinho? (Sim, eu sei que oficialmente começou apenas há 2 dias, mas neste mundo das séries já lá vai algum tempo.)

Neste momento em que existe alguma falta de séries novas para ver, achei por bem escrever algo em memória àquelas que ficaram por terra no fim da Temporada 2012/2013.

Comecemos então pela NBC que tem sempre pano para mangas!

Continuar a ler

Agulhas Num Palheiro #4 – 1600 Penn

Chegámos àquela altura onde várias séries lançadas na mid-season já se começam a definir como hits ou falhas descomunais. E é nesse sentido que vez vos trago uma comédia (ou tentativa de…) recentemente lançada pela (adivinhem lá) NBC.

A localização 1600 Pennsylvania Avenue será provavelmente um dos lugares mais conhecidos dos Estados Unidos da América. Para quem não sabe do que se trata, é a morada da Casa Branca, residência oficial do Presidente. E é portanto esse o pano de fundo de toda a série, assim como a origem do seu nome.

Continuar a ler

Agulhas num Palheiro #3 – Guys With Kids

Cá estamos nós então a abrir o ano com uma pequena conversa (mais curta que o habitual) sobre uma série mais fraquinha.

A série que vos trago desta vez foca-se na vida de três homens que são pais a tempo inteiro e nas aventuras e vidas complicadas (obviamente muito mais complexas e emocionantes que as vidas de quaisquer pais reais) que levam. Como devem calcular, estou a falar de Guys With Kids.

Continuar a ler

MALTA – os Momentos Altos (e Lows) da TV deste Ano – por Jorge Nascimento

Hoje foi o dia dos Jorges por isso agora toca-me a mim fazer algumas escolhas relativamente aos melhores e piores do ano. No entanto, primeiro um aviso, pois o texto que se segue pode conter spoilers para as seguintes séries: Doctor Who e Misfits. E agora, sem mais delongas:

  • Melhor Série: Doctor Who

Depois de uma espera de quase um ano, Doctor Who regressou aos nossos ecrãs com uma promessa de um formato ligeiramente diferente para a primeira parte desta nova temporada. Os episódios tiveram uma escala mais épica, foram recheados de grandes momentos, enquanto ao mesmo tempo foram mais contidos que as duas temporadas anteriores. Ao passo que a temporada 5 se focou nas fendas que existiam no Universo e a temporada 6 na morte do Doctor e nas origens da River Song e tudo o que com isso se relacionava, os episódios emitidos este ano foram peças brilhantes que nos trouxeram as últimas aventuras do Rory e da Amy, a exibição de uma faceta mais negra do Doctor e sublinharam ainda mais as relações entre estas três personagens e as influências que todos tiveram na vida uns dos outros. Por fim, no mais recente Especial de Natal foi-nos introduzida a nova companheira de viagens e aventuras Clara, interpretada pela bela Jenna-Louise Coleman, que traz uma nova e interessante dinâmica à série. As expectativas para 2013 estão no máximo, tanto pelo resto da temporada 7, como pela celebração do 50º aniversário da Série!

Continuar a ler

Agulhas num Palheiro #2 – The Neighbors

Existem aquelas séries que têm uma ideia fraca, mas acabam bem executadas. Outras, têm uma excelente ideia, mas executada de forma horrível. E depois temos aquelas que conseguem ser um pouco de ambas as coisas.

Mas a série que vos trago este mês para mim não se enquadra em nenhum dos casos acima referidos. Eu diria que ela pertence a uma categoria muito própria de “simplesmente tola”. Falo, claro está, de The Neighbors.

Continuar a ler

Agulhas num Palheiro #1 – Animal Practice

Se calhar é melhor começar por dizer, qual disclaimer, que não, não sou masoquista. Não sinto um qualquer impulso que me faz submeter a certas coisas que algumas pessoas mais críticas podem até considerar de “más para a saúde (física ou mental). Nomeadamente, e para ligar isto ao tema sob o qual vos começo a escrever hoje, a séries pouco aclamadas ou pesadamente criticadas, quer por críticos quer por telespectadores, incluindo aquelas que mais valia terem sido deixadas nos cantos obscuros dos estúdios que as produzem.

No entanto sou uma pessoa que gosta de desafios, e achei este particularmente difícil, mas interessante: forçar-me a ver o que não gosto (ou gosto muito pouco), procurar o que de bom possa existir e, por fim, tentar ressalvar e apresentar esses pontos positivos de coisas que, em certas ocasiões, preferiria que fossem lobotomizadas.

Continuar a ler