Séries para o Verão, por Miguel Bento

Falling-Skies

É sempre complicado deixar uma ou duas sugestões de verão neste universo cada vez mais extenso de séries de tv, portanto é necessário estabelecer alguns critérios daquilo que alguém está interessado em ver. A questão do tempo é uma delas, é certo que o verão há as férias e há mais tempo mas ninguém gosta de perder dias inteiros a ver o mesmo, pelo menos eu não.  Deste modo as séries curtas são o ideal, temporadas no máximo de 10 a 13 episódios. Mas quando se procura uma série nessa linha reparamos que o cabo americano (e a tv inglesa) fazem questão de nos dificultar com as durações cada vez mais curtas. Então entramos no segundo critério que é o género: podemos ir pelo sci fi, pela comédia ou pelo drama/policial e aí talvez as escolhas comecem a reduzir. É nestes critérios que vos deixo algumas sugestões de verão cada uma bastante diferente:

Continuar a ler

Anúncios

Programas Mortos: It’s the quality, stupid.

Prever programas que vão morrer é fácil. 80% das séries estreadas em cada temporada vai ser cancelada. Não há mérito nenhum em prever que uma série vai ser cancelada. Todas vão ser canceladas, mais cedo ou mais tarde.

Mas é Verão e todas as séries que estreiam no Verão vão ser, e merecem ser, canceladas. Todas? Nem todas. Este ano a estreia com a estreia de “Under The Dome” no fora da temporada televisiva parece que teremos que pensar de outro modo acerca das séries de Verão.

A verdade é apenas esta quando se atira o lixo para o verão é evidente que as pessoas não vão ficar em casa a ver televisão. O sucesso da estreia de Under the Dome, explica facilmente a razão porque as outras séries falham, it’s the quality, stupid.

Compare-se os 3.2 de Under The Dome com os 0.7 da estreia de Crossing The Line, não tenhamos dúvidas que é a qualidade que conta. Aquilo que Under the Dome conseguiu fazer no piloto, introduzir os pontos importantes da história e os personagens, Crossing the Line falhou. E falhou também Mistresses. Embora de Mistresses não valha a pena falar, é mais uma daquelas caridades que a Disney/ABC atira a Alyssa Milano, para a manter entretida mas que todos já sabemos que não interessa nem ver. Das produções da ABC com a Milano, a única questão que se põe é o que terá acontecido à pequena durante as filmagens de Who’s the Boss que eles ainda hoje estão a pagar a dívida.

Crossing The Line é o exemplo típico de que ser trabalhador e metódico não chega. Se Crossing The Line fosse um trabalho académico teria tocado em todos os pontos da grelha de avaliação excepto a originalidade. Aliás,o facto de Crossing The Line obedecer a todas as regras do género, ter todos as batidas no sítio certo é exactamente a razão porque Crossing The Line falha. É um TCP de um aluno muito certinho, muito trabalhador, muito metódico e sem uma centelha de criatividade. A qualidade de um produto televisivo, não é medida por se cumprir as regras apenas. É preciso ter algo para dizer de original. E algo para dizer original não se ensina. Pode-se atrofiar, mas não se ensina.

O que Under The Dome, e antes Game of Thrones, provam é que as ideias originais precisam de trabalho. Trabalho esse que não dificilmente ser feito sob a pressão de uma produção televisiva mas que pode ser feito em toda a liberdade num livro, antes de serem transpostas para o écran. Ou então precisam de um lead-in poderoso para sobreviverem até à renovação, apesar da estupidez da história. Sim, estou a falar de Revolution, a série com cancelamento anunciado com a mudança de horário.

Se nos dramas de Verão Under The Dome é um raro raio de Luz, nas comédias o cenário é mesmo deprimente. Ao lado das estreias deste verão só falta uma peixeira a berrar “quem me acaba os restos”! Save Me e Godwin Games sofrem de falta de desenvolvimento dos personagens. Tem uma ideia, e tudo roda em torno do que se pode fazer com essa ideia, sem dar importância às personagens.

Family Tools é um remake de uma série de sucesso britânica, onde decidiram deixar de fora o humor e a humanidade das personagens. O que sobra são umas galinhas sem cabeça a correr de um lado para outro durante 22 minutos, mas quem precisa de coisas que os fçam rir quando está bom tempo*

Dupla Perspectiva #2 – Game of Thrones

duplaperspectivaPor Sandra B. e Vítor Rodrigues

Depois de uma pausa de férias quase forçada, o regresso do Imagens Projectadas também é feito com novos espaços de opinião. Um desses é o “Dupla Perspectiva”, que terá, todas as semanas, duas pessoas a comentar uma série, partindo de 3 tópicos. Nada melhor que um confronto de ideias para apimentar o domingo. Não só a brasileira do Big Brother consegue fazer isso…

Ao contrário do prometido no post anterior, o João Barreiros teve uns problemas informáticos. Para o substituir, ao qual muito agradeço por ter convidado mais tarde, está uma das autoras aqui do blog, a Sandra. E tanto ela como o Vítor Rodrigues, do TVDependente, foram desafiados a falar da série que mais paixões atrai nos últimos tempos: Game of Thrones. Inicialmente cada um explicará como se liga à série, no tópico A Song of Fire and Ice, falando das Melhores Personagens vs. Piores Personagens que a série nos traz, e acabando com as Expectativas sobre o que resta da temporada.

Continuar a ler

Codename: Maio

Boa noite e bem-vindos a Maio, o mês em que dezenas de séries acabam. Umas voltam em Outono, e outras despedem-se definitivamente, dando lugar a outras séries. É um ciclo infinito de séries e hoje eu estou cá outra vez para falar de três delas, da pior para a melhor. Vamos a isso, então..

Para começar mal, tenho The Following. Bom, lembram-se do que eu disse na minha crónica anterior sobre esta série? Pois, ela estragou-se. A emoção dos primeiros episódios desapareceu quase totalmente e a série tem andado a definhar e a empatar episódio após episódio. Ainda não vi os episódios finais, mas não vou vê-los a correr. Tenho tempo. Gosto do Kevin Bacon e gosto do tema base da série, mas os últimos episódios vão ser decisivos para eu decidir se espero pela segunda temporada ou se a ponho de lado de vez.

Mas nem tudo é mau, e Go On está aqui para comprovar isso. Os 22 episódios da primeira temporada tiveram um pouco de tudo, com episódios hilariantes e episódios menos engraçados, mas de certa forma, é uma série que vale a pena ser vista. Se precisam de uma comédia leve, engraçada e um pouco nonsense, esta é a escolha ideal. Ainda não se sabe se foi cancelada ou renovada, mas tenho confiança que volte para uma próxima temporada. Bem, se coisas como Two and a Half Men ainda conseguem ser renovadas, porque não há-de Go On conseguir?

E, para acabar em grande, olá Game of Thrones! Esta mega produção da HBO regressou para a sua terceira temporada há pouco mais de um mês e não posso deixar de dizer que regressou em grande. Ver apenas a série é uma coisa, mas para quem também lê os livros, a série torna-se muito maior. A terceira temporada, relativamente ao terceiro livro tem sido muito fiel, com algumas adições que não aborrecem nem chocam. O único defeito que tenho a apontar é o tempo que passamos com cada personagem. É muito pouco, mas compreensível devido ao facto de existirem personagens às dezenas. De qualquer forma, esta temporada tem sido óptima – e as audiências que registam subidas a cada episódio que o digam. É óbvio que, tal como qualquer fã, estou ansioso pelos próximos episódios, esperando que continuem assim e que não desiludam.

Antes de terminar, podia ainda falar de Doctor Who, mas já o fiz nesta crónica assinada por mim e pelo António Guerra, por isso se quiserem saber o que eu tenho achado em relação a este resto de temporada, passem por lá.

E pronto, por hoje é tudo. Agora, uma dica para quem não vê séries porque diz que não tem tempo: organizem o vosso tempo livre! Entre ter aulas e estudar e fazer exercício e ir para a noite e jogar e tudo o que vocês fazem… há sempre umas horas de sobra para ver uma série ou duas. Giram o vosso tempo e entrem no mundo das séries!

Series-Gazing XXI: Uma Guerra pelo Trono do Tempo

O tempo é um problema que tem vindo a crescer tal como um fungo. A expressão “não tenho tempo para…” é muito usada por nós para mostrar o nosso desespero por querer fazer algo e não conseguir, e, dada a constante e cada vez maior exigência desta nossa vida, esta desculpa é cada vez mais frequente. Se dantes via uma mão cheia de séries semanais, agora reduzo-me a uma ou duas… E a desculpa que tenho? A mesma com que iniciei este mesmo texto.

O caro leitor bem sabe da minha paixão por “Fringe”. É claro que, depois de 5 anos com a série, dificilmente se esquecerá todos os pequenos pormenores com os quais nos maravilhámos ao longo dos 100 episódios. No entanto, actualmente, há uma outra série que se sobressai não só pelos cenários e pelos belíssimos efeitos especiais como pelas personagens que, apesar de estarem sempre em perigo de desaparecerem na cena seguinte, têm aquele toque humano que nos faz apegar tanto à sua personalidade como à sua história. Falo de “Game of Thrones”.

Game of Thrones 3x03 (1)

A transpoisção de uma das maiores sagas literárias para a televisão tem dado grandes alegrias não só aos fãs como ao canal que a exibe, a HBO. No lado dos fãs, a intensidade com que a história é contada leva a diversos comentários no facebook ou mesmo até críticas completas nos mais diversos sites e blogues cujo tema base são as séries e, por outro, temos o canal a alegrar-se por a série continuar a dar excelentes resultados. Em jeito de curiosidade, foi no passado domingo que a série registou o máximo de toda a série: 2.6 de rating e 4.87 milhões de espectadores. E só vejo estes valores subirem no decorrer dos próximos episódios. Ou, senão, na próxima temporada.

No outro dia perguntavam-me a razão de toda a gente ficar doida quando começa o genérico de “Game of Thrones”. Sendo eu uma dessas pessoas [que fica meio louco quando a música e o genérico começam a dar] respondi que a melodia aliada aos locais que visitaremos no episódio, deixam-me com aquela água na boca de ver o que vai acontecer e imaginar todo o plot daí para a frente. Apesar de a série ainda pecar por nos querer dar uma mão cheia de histórias em pouco mais de 50 minutos, tal não é impeditivo de se perceber o que se passa, de prever o que se vai passar ou mesmo de ficar expectante pelo próximo, tal como estou neste momento depois do grande final do episódio passado, “And Now His Watch Is Ended”.

Numa altura em que o tempo que tenho é quase mínimo, contar com “Game of Thrones” na carteira, todas as segundas-feiras, permite-me ter o escape necessário para enfrentar uma semana de trabalhos, de apresentações, de aulas chatas e de outros tantos problemas que tendem a tirar-me do sério e a testar a minha paciência. Tenho a certeza, nesta hora que passo com a série, que a minha imaginação voa para Westeros e estou ali, mesmo no centro da acção. E se há coisa mais bela em ser seriófilo, é este prazer que se obtém depois de ver qualquer coisa; uma espécie de sentimento inexplicável em que se sabe que a hora não foi desperdiçada, mais não seja para fugirmos deste nosso mundo real por uns momentos e repensar em toda a nossa estratégia. Da forma como as coisas estão, a vida exigir-nos-á cada vez mais de nós, exigirá cada vez mais do nosso tempo e, por isso, é importante um pequeno escape de vez em quando, até porque a nossa sanidade mental depende disso, não concorda?

MALTA– os Momentos Altos (e Lows) da TV deste Ano – por Sara Deodato

Eu sou um bocado suspeita para estar a falar de séries assim como uma especialista, dizendo o melhor e pior do ano, visto que que só este ano é que realmente me agarrei às séries. Sim, sempre fui menina de ver filmes e nunca sentia a vontade de me comprometer em ver todos os episódios de uma série. Dava muito trabalho.

Depois lá decidi que era tempo de me agarrar a estas coisas e comecei a ver séries que, ou já estavam na minha lista há meses (ou anos) ou que me foram aconselhando ao longo do ano. Por isso é que, provavelmente, vão achar estranhas algumas das minhas escolhas, mas hey, foi o que andei a visionar este ano, tá? Além disso, eu sou uma pessoa complicada de escolher apenas uma coisa de que goste, logo vai haver mixordias para aqui. Continuar a ler

MALTA – os Momentos Altos (e Lows) da TV deste Ano – por Jorge Pontes

Desde de nos empaturrarmos com os doces de Natal, o momento para a reflexão começa a tornar-se cada vez mais real. O ano de 2012 está a acabar e perguntamo-nos, “Que aconteceu este ano que vale a pena falar?”, e, nesse sentido, apresento-vos, no dia de hoje, as minhas escolhas para este ano. Estará o leitor pronto para mais uma aventura? Sigamos para a partida. Leve mantimentos e muita água, nunca se sabe que obstáculos surgirão à nossa frente.

  • MELHOR SÉRIE: Breaking Bad

isto é uma série

Poderia aqui colocar Sherlock ou Game of Thrones que são, claro, mercedores deste “prémio”. Mas não. “Breaking Bad” foi (e é) a série deste 2012 por uma razão muito simples: a sua história que se assemelha a um jogo de xadrez. As personagens estão, cuidadosamente, bem delineadas e os seus discursos são da maior qualidade. Todas elas se juntam para transformar uma história sem sal num dos melhores dramas da actualidade. E, melhor que isso, a primeira parte da quinta temporada não mostrou sinais de bonança… preparou-nos para a tempestade.

  • MELHOR EPISÓDIO: Game of Thrones 2×09 – Blackwater

Game of Thrones 2x09 - Blackwater

O segundo ano desta grande série mostrou-se bem mais madura e com vontade de nos mostrar um pouco mais deste mundo. Preparou-nos para algo épico. E o resultado? O melhor episódio de 2012. Conjugou acção, suspense, ansiedade, imprevisibilidade e, acima de tudo, uns belos efeitos especiais que só vieram mostrar que esta história não só tem potencial como é capaz de grandes feitos e de grandes momentos.

  • MELHOR REGRESSO: Parks and Recreation

Parks and Recreation, a comédia optimista

“Parks and Recreation” começou a meio gás. Cresceu e evoluiu para se tornar numa das melhores comédias da actualidade e a prova disso foi este início de quinta temporada. As personagens parece que se reinventam, o “novo” casal tem uma dinâmica espectacular e depois temos Ron. É preciso dizer mais?

  • MAIORES EXPECTATIVAS: Fringe/Haven

Fringe

Perguntará o caro leitor o porquê de “Fringe” figurar nesta categoria. Por um lado, estamos na temporada final e, por outro, devo pôr um pouco de parte alguns dos episódios desta temporada que apenas servem para nos preparar para o grande final. Estou em pulgas para ver as últimas 3h desta grande série que me maravilhou durante 4 longos mas emocionates anos.

Já “Haven”, apesar de ter começado (muito) mal este seu terceiro ano, arranjou maneira de o espectador esquecer aqueles pequenos precalços para nos dar um ou outro grande episódio. A história adensa-se, o mistério está cada vez mais envolto num véu azul e as personagens, a pouco e pouco, revelam as suas verdadeiras intenções e o seu verdadeiro passado. Estando neste estado, acha que não estou expectante para o final desta terceira temporada?

  • SÉRIE MAIS MÉH: 2 Broke Girls

2brokegirls

A primeira temporada desta série cativou-me de uma maneira que nunca pensei. Avancei para a segunda sem grandes expectativas e dou por mim, ao nono episódio, com vontade de desistir dela. Não estou farto mas também não é o “boom” que sempre quis ser. Estou cansado destas séries que se fazem fáceis para ganharem público. E se ela sobreviver à machadada de inverno que vou dar na minha lista, por favor, levem-me a uma jornada de limpeza da mente porque não estou bem, de certeza.

  • SURPRESA DO ANO: Go On

images (1)

Nesta lista não poderia faltar esta minha série de estimação. Começámos a Fall Season um pouco sem saber para onde íamos mas, quatro episódios depois, a série soube pegar no seu potencial e entrar não só na lista das melhores comédias estreantes como alguns dos seus episódios figurarem na lista dos favoritos do ano. Palavras para quê?

  • DESILUSÃO DO ANO: How I Met Your Mother/The Big Bang Theory

How I Met Your Mother

A desilusão para com estas duas séries cai cada vez mais. Tínhamos boas histórias, personagens interessantes e bons momentos, semana após semana. E agora o que temos? Duas séries cansadas, a andar sempre à volta de uma rotunda e nunca saem da sua zona de conforto com medo que o seu potencial (aquele que ainda existe) se possa perder. Sem chama e com muito fumo, vão sobrevivendo na CBS porque dão dinheiro porque a qualidade é um avião que já voou há alguns anos atrás.

Depois desta grande viagem, que me resta dizer? Que 2013 me traga novos grandes episódios e que as séries alimem as arestas e os vértices tão bicudos que teimam em picar o espectador com os seus piores momentos ou maus episódios. E, para o caro leitor, envio do Algarve os meus votos de boas entradas. Até lá.