Recordar é Re(vi)ver #8 – Fantasias de um jovem médico

I want you to be the one inside me.
I want to be the one inside of you.

E assim começa uma das crónicas mais difíceis de escrever… Uma série que sou capaz de ver dezenas de episódios seguidos sem me cansar e ver as repetições que quiser que vou sempre rir-me e desejar que a série ainda estivesse no ar.

Que série é essa? Ora portanto, Scrubs.

scrubs

Quem não se lembra desta série? Ainda até há pouco tempo, sempre que se passasse pela Sic Radical, podíamos ter a sorte de nos esbarrar com um episódio desta série genial. Continuar a ler

Roleta Russa: O anúncio de uma morte antecipada

lastresortDas coisas que mais me irritam no mundo das séries é os cancelamentos, muitas vezes injustos, mas principalmente as consequências que esses mesmos cancelamentos acarretam como os finais abertos. Um dos cancelamentos que mais me irritou foi o de Jericho, achei demasiado injusto, a série tinha imenso potencial e tinha dado provas disso mesmo, mas infelizmente os números valem mais que tudo o resto. No caso de Jericho ainda foi possível um final semi-aberto depois de muitos protestos dos fãs. Este ano a má notícia aconteceu para Last Resort, a série prometia muito e desde a visualização do trailer que decidi que seria uma das séries a seguir na nova fall season. Continuar a ler

The Moodys Effect #16 O Fim

2012

Este tem sido um ano complicado a vários níveis, seja pessoal ou mesmo em termos gerais, de facto as coisas mudam tão rapidamente que por vezes nem damos por elas, ou só nos apercebemos quando tudo acaba. Mas não vale a pena  lamentar a nossa sorte, melhores dias virão. O que me traz hoje aqui é uma pequena retrospectiva sobre o ano que passou. Com algumas estreias relativamente marcantes, séries que terminaram e um futuro pouco promissor.

Mas antes disso quero agradecer o facto de ter sido nomeados nos TCN Blog Awards por um dos textos publicados nesta crónica mensal. Não ganhei, nem esperava, mas ver algo que escrevi levar algum reconhecimento é sem dúvida um orgulho, e portanto tenho de agradecer sobretudo ao Guerra por me ter convidado para fazer parte deste projecto.

E agora vamos olhar para alguns momentos marcantes, sem grandes descrições mas que de alguma forma foram deixando as suas marcas nas várias séries do ano que agora está a terminar.

Continuar a ler

Hits & Flops #11 Happy Thanksgiving

Olá a todos, sejam bem-vindos à coluna de opinião (nome engraçado e comprido) do Imagens Projectadas. Todos os domingo eu, Miguel Bento, e o António Guerra , traremos os Hits e os Flops da semana que passou. O melhor e o pior em termos de televisão americana e britânica. Por isso, e sem mais atrasos, vamos embora ao que interessa.

Esta semana voltamos regressados de uma pausa e novamente alone e inundado peloThanksgiving americano que fez parar as séries quase todas, ou apenas em alguns dias. Esta foi a safra da semana que passou:

Continuar a ler

The Moodys Effect #15 – Isto não é só para inglês ver…

Já há algum tempo que vinham a faltar por aqui as séries inglesas, curiosamente até falei numa a crónica passada mas isso agora não interessa nada. Este mês vamos passar uma vista de olhos por três séries distintas do panorama inglês, começando pela terceira temporada de Downton Abbey e como a série se degradou ligeiramente, analisar a recente Hunted e facto de ser uma surpresa fora do habitual da BBC e ainda Bedlam que apesar de já ter sido exibida no verão passado só agora visualizei a segunda temporada.

Continuar a ler

Hits & Flops #10 – Last Resort, Misfits e Hunted

Olá a todos, sejam bem-vindos à coluna de opinião (nome engraçado e comprido) do Imagens Projectadas. Todos os domingo eu, Miguel Bento, e o António Guerra , traremos os Hits e os Flops da semana que passou. O melhor e o pior em termos de televisão americana e britânica. Por isso, e sem mais atrasos, vamos embora ao que interessa.

Numa semana em que as eleições americanas mandaram algumas séries de férias também entramos na fase do limite critico de algumas séries onde tudo pode acontecer ‘o maldito episódio 6’. Já a seguir:

Continuar a ler

Roleta Russa: Erros Sistemáticos

Numa altura em que surgem os primeiros cancelamentos desta fall season chegou o momento de analisarmos as principais falhas cometidas nas séries:

86x60x86 – Muitas são as séries que apostam nas carinhas laroucas, tendo pouca consideração pela qualidade de atuação de determinado ator ou atriz e melhor exemplo disso mesmo é a CW. Direcionada para um público-alvo adolescente, muitas são as séries com carinhas e corpos esculpidos e cuja qualidade de atuação é nula, isto reflete-se essencialmente na primeira metade da primeira temporada onde as atuações muitas vezes roçam o ridículo. Os últimos casos são The Secret Circle, onde havia mais beleza por m2 do que qi para representar. Nesta fall season o melhor exemplo é Beauty and The Beast, onde rara é a personagem bem interpretada.

Família demasiado grande – De uma série espera-se personagens interessantes, bem interpretadas mas muitas vezes os argumentistas acham que um reduzido número pode levar ao desinteresse rápido, por isso porque não matar um e introduzir meia dúzia? Melhor exemplo aqui é Heroes, a série começou muito bom, um tema interessante, personagens cativantes mas a meio quis ser mais do que devia e começou a inventar personagens sem tino, resultado perdeu o fio à miada e nunca mais se conseguiu encontrar. Mais vale poucas e boas do que muitas e medíocres.

Novela Mexicana – Aqui Shonda Rhimes é rainha não há volta a dar, gosta porque gosta de romances escaldantes em todas as suas séries. Se não vejamos: com quantos namorou mesmo Adisson? Penso que as duas mãos não chegaram para enumerá-los. Até mesmo a religiosa e virgem Kepner não conseguiu resistir ao impulso amoroso de Shonda Rhimes e também ela se iniciou da dança do sexo que é o Seatle Grace Hospital. O amor é necessário tanto na vida real como nas séries, mas amor, triângulos e intrigas amorosas em demasia enjoa e transformam a série numa espécie de novela mexicana. Continuar a ler