Bitaites em Série #8 – Status Quo

Hannibal-still-1São poucas as séries que ando a ver neste momento. Obviamente Game of Thrones, os finais de temporada de Revolution e The Following e comecei a ver Hannibal e Vikings (que entretanto já terminou.

Estou aqui para falar de duas delas, The Following e Hanniball, ambas abordando a temática dos serial killers.

Em The Following, um serial killer, após ter assassinado 14 raparigas, é preso e condenado. Consegue fugir de uma prisão de alta segurança após ter matado metade dos guardas.

Volta a ser apanhado, depois de ter voltado a fazer das suas. É tratado com todas as regalias. Na prisão monta uma rede de assassinos, que cá fora continuam o seu trabalho.

Volta a fugir como se nada fosse, e o FBI, SWAT, US MARSHALS, etc, que em todos os outros filmes e séries não tem contemplações e atiram a matar, desta vez são benevolentes para com este exemplar cidadão e seus seguidores.

Chega-se à conclusão que 99,9% da população dos Estados Unidos está feita com o serial killer. O resto da população que está contra ele chama-se Kevin Bacon.

Ainda não vi o final da 1ª temporada mas posso imaginar o que aí vem…

Hannibal adapta o personagem criado por Thomas Harris, Hannibal Lecter que já tinha dado um Oscar a Anthony Hopkins no cinema e agora surge com a pele do actor dinamarquês Mads Mikkelsen, antigo vilão Bond que para não escapar das características dadas à personagem por Hopkins a interpreta com um glacial toque escandinavo.

Aqui, o psiquiatra/gourmet/serial killer trabalha como psicoterapeuta ao serviço do FBI, que ainda ignora as suas actividades extra-curriculares. Do lado do FBI encontramos Will Graham (já o tínhamos visto no cinema em Manhunter, de Michael Mann e noutra adaptação do mesmo livro, Red Dragon) um especialista em perfis psicológicos, com uma capacidade tão grande para empatizar com aqueles que analisa que quase sente o que eles sentem ao matar. Os dois vão-se cruzar quando Jack Crawford (também conhecido do universo Lecter e desta vez interpretado por Lawrence Fishburne) pede a Lecter para analisar Will devido aos seus pesadelos e à sua empatia com os serial-killers e suas vitimas.

Ainda vou no 4º episódio mas para já conto continuar a ver.

Anúncios

Bitaites em Série #7 – Dilemas

FringeEsta época do ano é um bocado chata. Terminaram algumas séries/temporadas em Dezembro (Homeland, Dexter, por ex.) e outras foram de férias. Além disso ainda estamos a ressacar das inúmeras festas do mês do aniversário/Natal/aniversários de familiares/passagem de ano e o organismo ainda não está totalmente regulado.

As séries que meteram férias de Natal começam a regressar a conta gotas e entretanto novas temporadas de outras séries já rodam por aí (Californication ou Shameless).

Confesso que ainda não vi nada, só aproveitei para por Fringe em dia e esperar pela series finale, já no próximo fim de semana. E ao contrário do que outras pessoas acham, eu estou a gostar bastante e espero um excelente duplo episódio para finalizar uma série que já se tornou culto.

A ver se começo a ir pondo, aos poucos as minhas séries em dia, tarefa que não se adivinha fácil porque aproximam-se os Oscars e também quero ver alguns dos filmes que estão nomeados e outros que me suscitem interesse.

Aproveito para desejar um excelente 2013 a todos, cheio de boas séries.

Bitaites em Série #6 – Blood of Anarchy

Ora bom dia, e mais uma vez peço desculpa pelo atraso.

Já muito se tem falado da corrente temporada de séries e para variar um bocado, vou continuar a falar.

Das séries que estou a acompanhar (outras sigo mas deixo para ver mais tarde – é uma chatice o dia só ter 24 horas), nenhuma me tem desiludido, contando com estreias ou novas temporadas.

De todas, aquela que me está a surpreender mais é Sons of Anarchy. Para o bem e para o mal.

Quem o conhece, sabe que Kurt Sutter está longe de ser o argumentista do sistema. E quando o chateiam, ui… o melhor é sair da frente porque vem bomba. Então quando a sua querida e amada série não é reconhecida como ele acha que merece, principalmente no que diz respeito a prémios o homem, entre linhas (umas escritas, outras cheiradas) decide chocar.

Foi o que ele fez com esta 5ª temporada. Decidiu chocar e tornar a série mais violenta. Violenta como nunca tinha sido até aqui no já reconhecido mundo violento dos MC.

Alerta de Spoilers

Com a morte do seu melhor amigo (numa cena já por si violentíssima), à sua frente Jax ficou bruto, vingativo, cheio de ódio dentro de si, sem um pingo de humanidade, ao ponto de outros membros do clube o questionarem se não haveria outra maneira de lidar com determinada situação. À série formam acrescentadas mais cenas de sexo, cenas de pessoas a serem queimadas vivas, a citada cena da morte do Opie, mortes por vingança, sem piedade pelos assassinados, e no ultimo episódio emitido, a brutal morte de uma enfermeira às mãos de Otto (personagem interpretada pelo próprio Sutter).

Sons of Anarchy enveredou por caminhos tumultuosos e creio que já não haja volta a dar. Pelo menos, até ao fim desta temporada (e só faltam 3 episódios) vamos ter mais violência, muita violência. E ninguém está a salvo, nem mesmo o mais importante membro do clube.

Bitaites em Série #5 – A série(o)????

Ao viajar pelos blogues e sites sobre séries de TV tropeço muitas vezes em séries que, se eu me benzesse fá-lo ia naquele momento.

isto é uma série

Quando me falam de séries, fico sempre à espera que saia dali uma qualquer referência a Sopranos, a The Shield, a The Wire… Mas quando leio ou oiço falar em certas coisas fico logo com os cabelos em pé (e olhem que até tenho muito poucos).

Confesso que não sou imparcial. Não o sou a falar de futebol, por exemplo e também não o sou a falar de séries.

isto é uma série

É por isso que fico arrepiado quando me falam em Glees, séries de vampiros de e para teenagers ou das 475 séries passadas em hospitais, todas grandes dramalhões a fazer lembrar as telenovelas venezuelanas que davam na TVI quando este canal apareceu.

isto NÃO é uma série

Para mim falar de séries é falar de coisas com qualidade ao nível da ficção. Senão também devia haver criticas ao episódio da Casa dos Segredos, do BBC Vida Selvagem (suponho que não sejam a mesma coisa mas ainda tenho dúvidas) ou do concurso do Malato.

Por isso meus caros, aqui fica um conselho de alguém que lhe apetece neste momento dar este conselho: se querem falar e fazer postas sobre séries o melhor é começarem a ver… séries.

Bitaites em Série #3 – Torneios de Verão

Sabendo que a época oficial só começa em Setembro, vamos preparando a nova temporada com alguns torneios de Verão. Alguns desse torneios com equipas de topo.

A maior parte destas séries de Verão estrearam em Junho e outras já em Julho, como é o caso do excelente Breaking Bad.

E é precisamente esta, a única que estou a seguir live, neste momento. A quinta (e ultima) temporada estreou há 2 semanas (se fizerem as contas chegam à brilhante conclusão de que vai no 2º episódio) e pode-se dizer desde já que a fasquia está altíssima. Dois excelentes episódios de uma das melhores séries de sempre (já o é, sim). E o facto de se saber à partida de que esta é a ultima temporada é um bom sinal.  Porque, como já tinha dito em bitaites anteriores, gosto quando as séries têm um FIM.

Por outro lado Walter White, Jesse Pinkman, Saul, Hank e Mike vão deixar saudades. Muitas saudades.

Das séries que estrearam em Junho, e apesar de não as andar a seguir live, ando-a-comprar-para-ver-depois: True Blood, Falling Skies e The Newsroom.

Esta última estreou nessa altura e mostra-nos os bastidores de um programa de um canal de noticias. Programa esse que tem ao leme Will McAvoy (brilhante Jeff Daniels no 1º episódio). A série tem a assinatura de Aaron Sorkin, o mesmo de The West Wing (Os Homens do Presidente, como ficou conhecido por cá). Para continuar a ver.

Enquanto isso… bons banhos a quem se banha, bom trabalho a quem trabalha.

Bitaites em Série #2 – Algo sobre séries que deveriam servir para tapar buracos mas que se tornaram imprescindíveis

Lá passou mais uma silly season com o fim de mais uma temporada de séries e o consequente frenesim de se saber se A ou B seriam canceladas ou renovadas.

Algumas das séries que tinha começado a ver foram condenadas ao extermínio, sendo que aquele de que tenho mais pena, e a única dessas em que vi a primeira temporada completa foi Alcatraz. Não que a série estivesse a entusiasmar, mas como tinha dito na última crónica, irrita-me que as séries acabem a meio. Mas pronto, não foi das que me chocou mais.

Adiante…

Das séries que estão neste momento activas, apenas ando a ver Game of Thrones e The Killing, que curiosamente passam no mesmo dia. Pelo que tive de arranjar outras para “tapar os buracos”.

Uma dessas séries é Person of Interest , na qual seguimos Reese,  um ex-agente da CIA (Jim Caviezel, do remake de “O Prisioneiro” e de Paixão de Cristo), que muitos julgam morto em acção. Recrutado por Finch (Michael Emerson, o Ben Linus de “Lost”), um milionário que vive enfiado em casa, e que desenvolveu um programa de computador capaz de identificar pessoas que estão prestes a cometer, ou a ser vítimas de um crime. Os dois vão agir à margem da lei para tentar evitar que esses crimes aconteçam.

Já tínhamos visto algo do género em Minority Report, embora aqui menos sofisticado. A série tem assinatura de dois grandes nomes: JJ Abrams, que julgo dispensar apresentações e mais dissertações e Jonathan Nolan, irmão de Christepher Nolan e argumentista de Memento,  The Prestige e The Dark Knight. A série já foi renovada para 2ª temporada. A não perder.

A outra série, tem a chancela da BBC e intitula-se Inside Men. É, aliás uma minissérie. 4 episódios à volta de um assalto a uma casa-forte, que guarda o dinheiro dos bancos.  Começa com o assalto propriamente dito, com 10 minutos electrizantes, como há muito não se via em televisão e depois volta atrás no tempo para entendermos melhor o que se está ali a passar.

Entretanto Junho e Julho trazem-nos novas temporadas de séries onde iremos assistir, entre outras a mais uma temporada de True Blood e ao final de Breaking Bad.

Será que Walter se irá safar?