Séries para o Verão, por Jorge Pontes

Devoção é, muito provavelmente, a denominação de muitos para com os argumentistas e criadores das tantas séries que nós, adictos, vemos. No fundo, cresce dentro de nós um apreço enorme pelo seu trabalho e por toda a equipa que se reúne para produzir os tantos episódios que vemos por semana.

Eu já fui, em tempos, bem mais adicto do que sou agora. No início, marcava as horas para ver televisão, à noite, quando o canal de teste da ZON tinha a FOX ou a FOX Life durante mês e meio. E quando a ZON decidiu colocar a Life no pacote mais barato, a minha vida mudou. Conheci, através do canal, toda uma mão cheia de histórias, de personagens e aprendi a compreender este grande universo.

O Verão é, das épocas da televisão americana, a mais suave e despreocupada e talvez a minha favorita. É aquela altura em que se aproveita para recarregar energias e ver as temporadas que não conseguimos apanhar no Outono ou no Inverno. Serve, também, para olhar ao baú da época de ouro da televisão e apanhar uma série e vê-la, só porque apetece. Se há tempo, mais vale aproveitá-lo da melhor forma. De facto, é uma época onde a oferta é mais baixa e dá-nos tempo para saborear cada episódio e perceber tudo aquilo que ele nos quer mostrar (e contar).

Dirty Sexy Money

“Dirty Sexy Money”, “Ugly Betty” e “Eli Stone” são 3 séries, da altura em que só via a Life (e uma ou outra série da TVI às tantas da noite) me cativaram bastante e as quais eu sugiro para esta época despreocupada. São séries pequenas (a primeira e a terceira) que se vêem bastante bem pela sua história (quase) simples e pelas personagens que facilmente cativam e nos impressionam.

ColdCase_2

Da época pós-FOX Life, para o Verão, sugiro (além das ocasionais séries de Verão) a mais recente “Da Vinci’s Demons”, “Cold Case”, “The Borgias”, “The Tudors” e “Justified”. Em relação à primeira, a sua temporada de estreia de 8 episódios vê-se em pouco mais de dois ou três dias, apesar dos episódios de quase uma hora; é uma série medianamente leve, com uma história interessante e que atinge o seu potencial (quase total) nos últimos dois episódios. As restantes quatro, são séries já com algum peso na história da televisão e que exigem o seu tempo de visualização dado que são produções que primam bastante pelos detalhes e pelos significados escondidos nas acções das personagens.

Sanctuary

“Fringe”, uma das séries da minha vida, apoia-se igualmente nos detalhes e, aliando-se a uma forte mitologia, tornam as 5 temporadas e os respectivos 100 episódios num deleite para os amantes da ficção científica. E continuando na ficção científica, “Sanctuary” marcou o meu vício como sendo uma série à maneira e que se desafiava a si própria em termos de história. 4 temporadas e 59 episódios depois, temos uma série que terminou bastante bem e com um final explosivo que em quase nada desiludiu. Duas apostas, claramente, dignas de se acompanhar nesta época de imenso calor.

A nível de reality, se o caríssimo leitor estiver interessado, aconselhava para o Verão, o “Big Brother” americano. A CBS faz questão de produzir uma nova temporada que tem sempre estreia no início de Julho e dura até meados de Setembro, altura em que começa o ciclo de Outono de “Survivor”. Não vejo o reality assim há tanto tempo mas, sendo um grande guilty pleasure, é o meu grande vício de Verão e acho que esta altura sem Brother já não é a mesma coisa.

Tantas são as produções que passaram pelos nossos ecrãs e tantas serão aquelas que ainda por aqui passarão. O que é certo é que, as 11 que vos referi neste pequeno texto acabam por ser a ponta de um grande icebergue que nem eu próprio lhe vejo o fim. Adoro séries, adoro viver naqueles 45 minutos, uma vida diferente. Seja na Fall, na Mid ou na Summer Seasons, há sempre tempo para nos voltarmos a apaixonar por uma série que já vimos ou por uma nova que decidimos ver. De uma maneira ou de outra, acabamos por construir o nosso álbum de favoritas e, mais tarde, recordamo-las com o maior apreço. Haverá melhor gratificação que essa?

Zapping Crítico #6 – A grande depressão americana, o Renascimento e Westeros!

O sexto “Zapping Crítico” vai dedicar-se ao comentário de três belas novidades a nível de produções televisivas, cujas tramas se desenrolam não só em épocas históricas completamente diferentes como em locais absolutamente distintos – mesmo em mundos diversos, num dos casos! Curiosos? Eu também estaria!

(Naturalmente, o texto contém SPOILERS para aqueles que não se encontram o mais actualizados possível com a exibição original, a dos EUA, das séries que serão retratadas)

Lembram-se de eu vos ter apresentado um trailer da minissérie “Mildred Pierce”, no meu primeiro post no Imagens Projectadas? Pois bem, o que na altura se resumia a algumas considerações minhas baseadas somente em elevadas expectativas e na confiança no talento de Kate Winslet, ficou finalmente comprovado, com a chegada dos seis belos episódios aos ecrãs de todo o mundo. Começamos por conhecer Mildred, uma mulher agarrada à estabilidade financeira que o marido adúltero lhe proporciona, com duas filhas e uma bonita casa nos subúrbios. O negócio imobiliário da família, à semelhança do que aconteceu com várias outras empresas após o crash da bolsa americana de finais dos anos 20, cai na falência e, com ele, a união de Mildred com o marido, Bert. A protagonista vê-se então obrigada a procurar trabalho, de forma a sustentar duas filhas habituadas a alguma abundância. Após algumas tentativas frustradas, Mildred, algo hesitante e de forma constrangedora, consegue um trabalho como empregada de mesa, decidindo manter segredo das duas filhas. É aqui que começamos a perceber realmente quem é esta mulher e de que material é feito. Mildred é ambiciosa, Mildred acha que é especial (talvez como toda a gente) e vê este mesmo brilho quando olha para as suas duas filhas. Quer o melhor para elas e fomenta-o, sem saber que está a alimentar um monstro sob o seu próprio tecto.

Continuar a ler