Agora sim: Adeus, Sopranos.

Na minha anterior crónica, como parte da rubrica “Séries para o Verão” (nomeada para os TCN Blog Awards), escrevi sobre as séries que me propus ver: Sopranos e Seinfeld. Acontece que desde então, do mês de agosto, vi apenas uma delas, Sopranos, que terminei a semana passada. Há tanta coisa que se pode dizer de Sopranos e mesmo assim penso que não é o suficiente para descrever uma das melhores séries televisivas de todos os tempos.

sopranos

The Sopranos que esteve no ar entre 1999 e 2007, segue a vida de um chefe da Máfia, Tony Soprano enquanto ele lida com problemas na sua vida pessoal e profissional. James Gandolfini (que faleceu no passado mês de junho), interpreta o chefe da máfia italiana enraisada em Nova Jersey, nos EUA. Tony é uma personagem muito complexa, com um grande conflito interior que se divide entre ser um bom homem de família e a sua reputação e responsabilidades de ser um chefe da máfia. Tony é duro, sem escrúpulos e exigente, mas é também um homem tradicional, que quer garantir uma boa vida à sua mulher e aos seus filhos.

Continuar a ler

Séries Para o Verão, por Joana Aleixo

Chegando o Verão, mais propriamente as férias, chega também a altura de tomar algumas decisões. Considerando a falta das séries habituais que se vai seguindo durante a temporada de outono/inverno, é nesta época (ou nas férias de Natal) que me aventuro a ver séries de enfiada. Pois é, este verão decidi ver não só uma mas duas séries: “The Sopranos” e “Seinfeld”. Ora bem, são duas séries bem conhecidas do público, toda a gente já ouviu falar, pelo menos. A começar por mim: de Sopranos só vi um episódio (o primeiro, de que gostei) e de Seinfeld já vi muitos episódios que apanhei no zapping mas nunca vi a série do princípio ao fim. Tendo gostado do que vi e juntando útil (tempo) ao agradável, quero ver mais. Sim, eu sei que, enquanto espectadora de TV, é uma vergonha eu nunca ter visto estas séries de que se tanto falou e que continuam a influenciar nos dias de hoje. Mas nunca é tarde demais quando se quer experimentar algo de novo. Por isso, vou abraçar este desafio tanto que me seja possível. Optei por um período experimental: duas temporadas de cada série a ver se a coisa pega. Desejem-me sorte.

Orange is the New Black

Aproveito este espaço para também recomendar umas coisinhas. Neste caso é só uma. “Orange is the New Black” é uma série, uma dramedy, produzida pela Netflix e tem feito sensação na Internet. São 13 episódios cheios de lições de vida e manhas fantásticas, histórias de personagens muito interessantes que se encontram numa prisão. É uma série que quebra estereótipos e clichés típicos das prisões. Mostra humanidade e sentido de humor, mostra dor e frustação. Mostra que a vida não é um mar de rosas, mas que é possivel encontrar força, esperança, lealdade e companheirismo. A escrita é muito boa e as performances do vasto elenco também. Vejam, não se vão arrepender.

The Revenge of The Big C in the City, during Summer!

Confesso que neste último mês, desde a minha última contribuição para o blog não andei muito atenta a séries no sentido de ver coisas novas. Contudo, nos intervalos da escrita da dissertação e de outras tarefas menos agradáveis, terminei The Big C e comecei a ver Revenge. Tenho estado a rever também Sexo e a Cidade para descontrair um pouco.

A primeira, The Big C, conheceu o seu final no passado dia 20 de Maio. Teve direito a  uma última temporada, após ter sido cancelada pela Showtime. O final foi previsível conhecendo a premissa inicial – uma professora, Cathy, a quem é diagnosticado um cancro – mas mesmo assim foi muito interessante e emocionante conhecer a viagem de Cathy desde o momento em que tem conhecimento que está doente, como lida com a doença, e o impacto que esta tem nas suas relações familiares, mudando a sua forma de estar na vida e os seus hábitos. Cathy reaprende a viver, definindo as suas metas, com novas ambições (sem enveredar pelo mundo do crime. Looking at you, Walter White). A certa altura, Cathy decide que quer pôr fim ao jogo contra a Morte, não aceitando fazer mais tratamentos e assim começando a despedir-se da vida e de quem a rodeia. Dentro da previsibilidade, a série ensina-nos muito as relações humanas, sobre medos e ambições, e a forma como lidamos não só com a morte mas também com a vida. Por vezes também é preciso coragem para enfrentar a vida, como ela é: cheia de contratempos, surpresas. Embora o seu tema possa ser um pouco “pesado” (conforme o ponto de vista) “The Big C”  não deixa de ter momentos muito engraçados. Recomendo a série.

Outra série que comecei a ver foi Revenge. Gostei da premissa da série, de inspiração literária – “O Conde de Monte Cristo” de Alexandre Dumas. Emily Thorne (Emily VanCamp) chega aos Hamptons (onde os ricalhaços têm as suas mansões) e aluga uma casa ao lado da família Grayson para passar o Verão. Na realidade, Emily é Amanda Clarke, cujo pai foi acusado de um crime que não cometeu e enviado para a prisão, sendo mais tarde assassinado. Emily/Amanda quer agora vingar-se e destronar todos aqueles que contribuíram para o aprisionamento do seu pai, especialmente a família Grayson. Com um enredo promissor, a 1º temporada foi boa, gostei da forma como história foi construída, com twists e revelações interessantes.  Não é uma série pesada nem maçuda, entreteve bem. Tem uma vertente novelesca, com tudo isso que acarreta. Por vezes até a menos boa representação de alguns atores do elenco. Mas a 2º temporada tornou-se chata. Eu ainda nem terminei e já estou um pouco farta para dizer a verdade.  Ao mesmo tempo que quiseram desenvolver algumas das personagens e histórias, a série perdeu algum interesse sendo que muitas histórias estão demasiado rebuscadas. Ainda vou terminar a série e depois logo se vê se irei acompanhar a nova temporada a começar em Setembro.

Aí quase por estrear, dia 30 de Junho, está Dexter. Estou curiosa para ver o que trará nova e final temporada! Promete ser de arromba e esperemos que assim seja. Talvez na minha próxima crónica escreva sobre as minhas impressões em relação à temporada.

Foi notícia esta semana que James Gandolfini, mais conhecido pela sua interpretação de Tony Soprano da aclamada série Os Sopranos, faleceu. Nunca ter visto Sopranos é realmente um grande erro meu, enquanto espetadora de séries de televisão. Ooops! Por isso, infelizmente nas piores circunstâncias, vou começar a ver Os Sopranos em breve. Apesar de já ter lido/ouvido falar que é muito boa (e do seu controverso final) não sei bem o que esperar. Espero gostar para assim compreender a mística à volta da série.

E não, ainda não desisti de ver West Wing, The Killing, Justified, entre tantaaaas outras. Agora que estou praticamente (quase) despachada da tese de mestrado posso mergulhar no mundo da séries e no mar quando for à praia. sem sentir-me culpada!! Por isso, logo a seguir a Sopranos (se a coisa correr bem), verei essas séries ou parte delas.

Se tiverem alguma recomendação, não hesitem a tweetar-me!

Até breve.

Bitaites em Série #5 – A série(o)????

Ao viajar pelos blogues e sites sobre séries de TV tropeço muitas vezes em séries que, se eu me benzesse fá-lo ia naquele momento.

isto é uma série

Quando me falam de séries, fico sempre à espera que saia dali uma qualquer referência a Sopranos, a The Shield, a The Wire… Mas quando leio ou oiço falar em certas coisas fico logo com os cabelos em pé (e olhem que até tenho muito poucos).

Confesso que não sou imparcial. Não o sou a falar de futebol, por exemplo e também não o sou a falar de séries.

isto é uma série

É por isso que fico arrepiado quando me falam em Glees, séries de vampiros de e para teenagers ou das 475 séries passadas em hospitais, todas grandes dramalhões a fazer lembrar as telenovelas venezuelanas que davam na TVI quando este canal apareceu.

isto NÃO é uma série

Para mim falar de séries é falar de coisas com qualidade ao nível da ficção. Senão também devia haver criticas ao episódio da Casa dos Segredos, do BBC Vida Selvagem (suponho que não sejam a mesma coisa mas ainda tenho dúvidas) ou do concurso do Malato.

Por isso meus caros, aqui fica um conselho de alguém que lhe apetece neste momento dar este conselho: se querem falar e fazer postas sobre séries o melhor é começarem a ver… séries.

Programas mortos: Programas Zombies

Com Chuck este ano começou a moda de deixar os programas, que as fracas audiências permitiam declarar como mortos, regressar para uma temporada final de 13 episódios. Na próxima temporada é a vez de Fringe, Gossip Girls e provavelmente Community, Clínica Privada, Scandal e Body of Proof. Estas 4 com a morte ainda por confirmar, mas também com poucas garantias de passar para além dos 13 episódios.

São programas zombies, versão network. Programas zombies versão cabo. São todos os programas horríveis com audiências miseráveis que mesmo assim são automaticamente renovados para uma segunda temporada, como Girls ou Luck. Esta última apenas cancelada por cause de mortes de cavalos durante as filmagens.

A ideia de deixar os programas voltar para uma última temporada, nem é mal pensada, evita todas aquelas campanhas cretinas para salvar programas de televisão cujas audiências lhes mereceram o cancelamento e permitem o luto dos fãs. Além do que é boas relações públicas, os fãs ficam gratos de saberem que a sua série favorita vai ter um fim e não terminar com questões por responder. Aqui os fãs de Lost e Sopranos dirão para ter cuidado com o que desejam, mas isso é outra história.

Continuar a ler

Series-Gazing VIII

O mundo das séries é já tão vasto quanto o nosso Mundo. Rodeados das mais diversas  pessoas com as mais diversas personalidades, não somos (nem seremos) alguém se não tivermos um tipo de apoio especial que só os outros nos sabem (e nos podem) dar.

E claro, todos nós já passámos pela fase onde éramos felizes (superficialmente) porque tínhamos imensos amigos (ou conhecidos ou outro vocábulo que o caro leitor queira dar a esta fase) – uma espécie de Idade de Ouro da nossa adolescência.

Para o espectador assíduo destes produtos televisivos – as séries – seja através de downloads seja através da televisão, o espectador teve, indubitavelmente, uma Idade de Ouro própria. Mas eu não me refiro à Idade onde The Sopranos, The Wire, Lost ou Six Feet Under reinavam e que o caro leitor era (e ainda continua a ser) fã acérrimo.

Continuar a ler