Golden Globes 2013 – Quando as modas não são assim tão jeitosas (Comentário)

Numa noite onde o pessoal de SNL fez da cerimónia dos Golden Globes das melhores dos últimos anos (Tina Fey e Amy Poehler estiveram brilhantes no monólogo, acompanhados por Will Ferrell e Kristen Wiig num dos melhores momentos da noite), notou-se que há modas que pegam e que não largam. E se, no ano passado, parece que Glee acabou o seu ciclo, outro começou.

Melhor Drama

Boardwalk Empire (HBO)
Breaking Bad (AMC)
Downton Abbey (BBC)
Homeland (Showtime)
The Newsroom (HBO)

Comecemos pelo melhor drama. Numa categoria onde a falta de Mad Men é gritante (a entrada de The Newsroom não se percebe), dar o prémio a Homeland é algo que não se percebe. É o novo coqueluche dos prémios, já se percebeu. Para mim não é a melhor série em activo, nem de perto, mas, e se nos Emmys, apesar de discordar veementemente, achar que a série teve uma temporada brilhante, nesta segunda temporada, analisada pelos GG, nem de perto nem de longe se chegou a tal. E, dos 5 nomeados, a única série que tem sido brilhante, regularmente brilhante, é Breaking Bad. Entre Mad Men e Breaking Bad o meu coração pende para a segunda, mas tentando ser imparcial, não consigo decidir quais das duas são melhores. Mas sei que, comparando as temporadas que se passaram em 2012, tanto Breaking Bad como Mad Men tiveram bastantes furos acima da transformada em “chorona” e “maricas” Homeland. Porque, a partir de Q&A, não tivemos uma série…tivemos algo que fazia verter lágrimas. Ou tentar…

Continuar a ler

Series-Gazing XVIII

O mundo das séries sempre me intrigou. Porventura o leitor já terá pensado, como é que as mentes por detrás das séries conseguem fazer (muitas vezes) as melhores séries a partir de uma história que, à partida, nem dava para uma mão cheia de episódios. Porventura, já terá pensado em histórias que, sabe-se lá Deus, conseguiram chegar a série e permanecem por 3, 4, 5 anos (e até mais) e as pessoas parecem gostar sempre da mesma fórmula, da mesma pasmaceira e das mesmas personagens que se reciclam, continuamente.

De facto, quando um adicto (assumido) em séries carece de tempo para ver os seus produtos favoritos, esse mesmo doente (leia-se pessoa) começa a perceber, a pouco e pouco, muito do lixo que parece gostar de acompanhar mas que, lá no fundo, vê porque já acompanha a série desde o início ou porque as personagens principais estão perfeitos eye-candy ou até porque a histórias, às vezes, consegue ser boa e compensa os casos razoáveis que são contados ali pelo meio.

Chegado que estava às férias de Natal, deparo-me com uma lista enorme de séries para ver fora aquelas que estão bem guardadinhas para depois. Penso, claro, que tenho de as ver todas. E depois rio-me com tamanha parvoíce e talvez penso que devo fazer stand-up comedy. Depois deste momento de pura gargalhada, penso seriamente sobre o assunto e surge-me a ideia mais maravilhosa do mundo: desistir de ver umas ditas. Não é que me encha o coração de desistir de acompanhar histórias, mas tem sido assim desde que comecei nesta senda de analisar episódios, de perceber as intenções das personagens ou mesmo até deparar-me com os mais bonitos cenários onde decorrem estas histórias.

How-I-Met-Your-Mother

Lembro-me de ter dito ao caro leitor que “How I Met Your Mother” e “The Big Bang Theory” tinham sido duas séries que havia deixado para o Verão. Sabe onde é que elas estão agora? Na reciclagem. O mesmo se passa com “Rizzoli & Isles” que, desde que terminaram o arco com aquele grande assassino, a série perdeu força e graça. Ainda vi, no Verão, a primeira leva de episódios da terceira temporada mas agora… vamos esquecê-la. Apesar de ter a Sasha Alexander, não chega. E “2 Broke Girls”? Dizia eu o ano passado que a comédia era muito boa. Adorava, essencialmente, as piadas porcas. Este ano, tenham ou não loja, fartei-me da série. Pronto, eu sei que tem a Kat Dennings e a Beth Behrs mas estou farto da premissa.

justified-poster-600x288

Perco tempo a ver estas quando tenho guardadas para mais tarde “Justified” e “Homeland”. Não achando eu que isto é comportamento de pessoa normal e minimamente sã, o meu 2013 começou bem mais limpo e com objectivos distintos em relação às séries: parar de me perder com mediocridades e focar-me naquilo que interessa. Eu sempre tive na ideia que quem visse maior número de séries era o maior… Mal sabia eu que estava a ser ingénuo. Sinceramente, não é mais ou menos adicto quem vê um grande número de séries. É adicto quem acompanha poucas mas fica envolvido pelas suas histórias e personagens e pequenos detalhes… É adicto quem sabe o nome dos actores e actrizes e (quase) toda a sua carreira.

Certamente que muitas mais séries serão lavadas do meu consciente durante este ano de 2013. Azar o delas, lá diz a sabedoria popular. Mas de uma coisa tenho a certeza: a televisão e a criatividade parecem estar a estagnar, sempre presas aos mesmos conceitos, aos mesmos estereótipos, às mesmas piadas e sem nunca sair da zona de conforto. Talvez seja por isso que a minha mente esteja a fazer uma selecção rigorosa dos programas que deliro ver e talvez seja por isso que esteja a enveredar pelo mundo do cinema (que a mim sempre me foi muito desconhecido). Não digo que a televisão esteja obsoleta mas, com o paradigma actual, a dita para lá caminha. Teremos uma midseason sem graça, tal como foi a fall season deste ano? A época só ontem começou e é esperar para ver o que ela nos reservou.

Um óptimo 2013 para o caro leitor, recheado de bons programas e de histórias envolventes.

MALTA– os Momentos Altos (e Lows) da TV deste Ano – por António Guerra

Depois de uma semana preenchida com o melhor e pior do ano, chega a vez do comandante das tropas deste estamine falar sobre o que se passou este ano…e porque não me apetece fazer uma introdução longa, vamos ao que interessa:

Melhor Série: Sherlock

Sherlock

Sherlock teve este ano uma temporada de vale. Um pico alto, a chegada ao rio no segundo, e voltar a subir na qualidade no terceiro. Mas, e visto que revi a série ainda há pouco tempo, acho que não há como dizer isto de outra forma: dos três episódios, dois deles são absolutamente brilhantes. O primeiro é um episódio à Steven Moffat, genialmente escrito, e com um final absolutamente brilhante. Foi para mim o melhor episódio do ano, mais que merecido. O terceiro é uma construção fantástica, que permite o espectador duvidar mesmo do herói da história, algo que parecia impossível acontecer. O pior disto tudo? É ter aquele final e saber que a série deverá regressar só em finais deste ano que vem. Para os que já viram, vejam de novo. Para os que ainda não viram, não sei o que falta para ver… Continuar a ler

MALTA– os Momentos Altos (e Lows) da TV deste Ano – por Sara Deodato

Eu sou um bocado suspeita para estar a falar de séries assim como uma especialista, dizendo o melhor e pior do ano, visto que que só este ano é que realmente me agarrei às séries. Sim, sempre fui menina de ver filmes e nunca sentia a vontade de me comprometer em ver todos os episódios de uma série. Dava muito trabalho.

Depois lá decidi que era tempo de me agarrar a estas coisas e comecei a ver séries que, ou já estavam na minha lista há meses (ou anos) ou que me foram aconselhando ao longo do ano. Por isso é que, provavelmente, vão achar estranhas algumas das minhas escolhas, mas hey, foi o que andei a visionar este ano, tá? Além disso, eu sou uma pessoa complicada de escolher apenas uma coisa de que goste, logo vai haver mixordias para aqui. Continuar a ler

MALTA – os Momentos Altos (e Lows) da TV deste Ano – por Jorge Pontes

Desde de nos empaturrarmos com os doces de Natal, o momento para a reflexão começa a tornar-se cada vez mais real. O ano de 2012 está a acabar e perguntamo-nos, “Que aconteceu este ano que vale a pena falar?”, e, nesse sentido, apresento-vos, no dia de hoje, as minhas escolhas para este ano. Estará o leitor pronto para mais uma aventura? Sigamos para a partida. Leve mantimentos e muita água, nunca se sabe que obstáculos surgirão à nossa frente.

  • MELHOR SÉRIE: Breaking Bad

isto é uma série

Poderia aqui colocar Sherlock ou Game of Thrones que são, claro, mercedores deste “prémio”. Mas não. “Breaking Bad” foi (e é) a série deste 2012 por uma razão muito simples: a sua história que se assemelha a um jogo de xadrez. As personagens estão, cuidadosamente, bem delineadas e os seus discursos são da maior qualidade. Todas elas se juntam para transformar uma história sem sal num dos melhores dramas da actualidade. E, melhor que isso, a primeira parte da quinta temporada não mostrou sinais de bonança… preparou-nos para a tempestade.

  • MELHOR EPISÓDIO: Game of Thrones 2×09 – Blackwater

Game of Thrones 2x09 - Blackwater

O segundo ano desta grande série mostrou-se bem mais madura e com vontade de nos mostrar um pouco mais deste mundo. Preparou-nos para algo épico. E o resultado? O melhor episódio de 2012. Conjugou acção, suspense, ansiedade, imprevisibilidade e, acima de tudo, uns belos efeitos especiais que só vieram mostrar que esta história não só tem potencial como é capaz de grandes feitos e de grandes momentos.

  • MELHOR REGRESSO: Parks and Recreation

Parks and Recreation, a comédia optimista

“Parks and Recreation” começou a meio gás. Cresceu e evoluiu para se tornar numa das melhores comédias da actualidade e a prova disso foi este início de quinta temporada. As personagens parece que se reinventam, o “novo” casal tem uma dinâmica espectacular e depois temos Ron. É preciso dizer mais?

  • MAIORES EXPECTATIVAS: Fringe/Haven

Fringe

Perguntará o caro leitor o porquê de “Fringe” figurar nesta categoria. Por um lado, estamos na temporada final e, por outro, devo pôr um pouco de parte alguns dos episódios desta temporada que apenas servem para nos preparar para o grande final. Estou em pulgas para ver as últimas 3h desta grande série que me maravilhou durante 4 longos mas emocionates anos.

Já “Haven”, apesar de ter começado (muito) mal este seu terceiro ano, arranjou maneira de o espectador esquecer aqueles pequenos precalços para nos dar um ou outro grande episódio. A história adensa-se, o mistério está cada vez mais envolto num véu azul e as personagens, a pouco e pouco, revelam as suas verdadeiras intenções e o seu verdadeiro passado. Estando neste estado, acha que não estou expectante para o final desta terceira temporada?

  • SÉRIE MAIS MÉH: 2 Broke Girls

2brokegirls

A primeira temporada desta série cativou-me de uma maneira que nunca pensei. Avancei para a segunda sem grandes expectativas e dou por mim, ao nono episódio, com vontade de desistir dela. Não estou farto mas também não é o “boom” que sempre quis ser. Estou cansado destas séries que se fazem fáceis para ganharem público. E se ela sobreviver à machadada de inverno que vou dar na minha lista, por favor, levem-me a uma jornada de limpeza da mente porque não estou bem, de certeza.

  • SURPRESA DO ANO: Go On

images (1)

Nesta lista não poderia faltar esta minha série de estimação. Começámos a Fall Season um pouco sem saber para onde íamos mas, quatro episódios depois, a série soube pegar no seu potencial e entrar não só na lista das melhores comédias estreantes como alguns dos seus episódios figurarem na lista dos favoritos do ano. Palavras para quê?

  • DESILUSÃO DO ANO: How I Met Your Mother/The Big Bang Theory

How I Met Your Mother

A desilusão para com estas duas séries cai cada vez mais. Tínhamos boas histórias, personagens interessantes e bons momentos, semana após semana. E agora o que temos? Duas séries cansadas, a andar sempre à volta de uma rotunda e nunca saem da sua zona de conforto com medo que o seu potencial (aquele que ainda existe) se possa perder. Sem chama e com muito fumo, vão sobrevivendo na CBS porque dão dinheiro porque a qualidade é um avião que já voou há alguns anos atrás.

Depois desta grande viagem, que me resta dizer? Que 2013 me traga novos grandes episódios e que as séries alimem as arestas e os vértices tão bicudos que teimam em picar o espectador com os seus piores momentos ou maus episódios. E, para o caro leitor, envio do Algarve os meus votos de boas entradas. Até lá.

Hits & Flops #9 – Top Gear, Fringe e Political Animals

Olá a todos, sejam bem-vindos à coluna de opinião (nome engraçado e comprido) do Imagens Projectadas. Todos os domingo eu, Miguel Bento, e o António Guerra , traremos os Hits e os Flops da semana que passou. O melhor e o pior em termos de televisão americana e britânica. Por isso, e sem mais atrasos, vamos embora ao que interessa.

Numa semana bastante afectada pelo furacão Sandy, ficam aqui os estilhaços (bons e maus) que ficarão.

Continuar a ler

Series-Gazing XVI

Qualquer adicto de televisão, tem uma lista de séries. Séries que já viu, que quer ver, que vai ver, que espera ver… enfim, n nomes e inúmeras categorias que ajudam a ter a vida um pouco mais organizada.

Deparei-me, mais uma vez, este ano, a olhar para a lista das séries que vão estrear e que regressam e não pude deixar de seleccionar algumas que não me podem escapar e outras que, simplesmente, serão vistas só no Verão. E duas destacam-se, claramente, pelas piores razões: “The Big Bang Theory” e “How I Met Your Mother”.

A primeira, que em tempos já me fez rir a bandeiras despregadas, é, hoje, uma série que não passa do razoável nem sai muito da sua zona de conforto. É uma espécie de “Two and a Half Men” versão geek. E isso já me começa a chatear porque não vejo uma linha narrativa que me deixe agarrado durante os 24 episódios que compõem a temporada. É certo que, quando a série começou, até mais ou menos à terceira temporada, o conceito inovador e as piadas mais intelectuais eram motivadores o suficiente para querer saber o que viria após qualquer acontecimento. Hoje em dia, estes conceitos perderam a graça que, há anos, os fizeram vingar na televisão… “The Big Bang Theory” regressou para o seu sexto ano e eu, simplesmente, não a quero ver. Não agora. As expectativas estão baixíssimas, como já referi noutro artigo, e só a verei se estiver, realmente, muito desesperado.

“How I Met Your Mother” dispensa qualquer tipo de apresentação. E tal como a série que acima referi, quando estreou, o seu conceito era diferente ao ponto de me deixar interessado em todo o mistério e continuar a ver. Seis temporadas depois pergunto-me o que é que aconteceu à série para se ter deixado cair neste abismo sem graça, sem interesse e cujo único objectivo é fazer dinheiro no canal que é exibido. A história era boa, as aventuras melhores ainda, as pistas que nos iam deixando em alguns episódios mantinham-nos motivados… tudo isto se perdeu há já três temporadas. Tal como “The Big Bang Theory”, as expectativas para a história de Ted estão baixíssimas porque eu já nem acredito que vão dizer quem é a Mãe… o mistério permancerá e estes 7 anos de história não serviram para rigorosamente nada.

O caro leitor pode achar que estou aqui a expressar um ódio por estas séries. Muito pelo contrário, elas até são minhas favoritas. Mas pelo facto de terem caído na desgraça de serem mais do mesmo e nunca saírem da sua zona de conforto, faz delas séries meramente razoáveis. E, actualmente, quando o tempo é tão curto e há tantos outros produtos melhores, o meramente razoável não é suficiente.