As Séries e a Música #7 – Go On

Setembro, mês de regressos e estreias. Este mês falo-vos de uma estreia Go On o regresso do Chan…Quer dizer, do Matthew Perry. (Por mais que tente, my heart belongs to Chandler Bing.)

Go On é uma sitcom que tem duas vertentes a da comédia e do drama, que tem a ver com o que acontece à personagem principal.

Ryan King (Matthew Perry) é uma radialista da área do desporto, que teve o infortúnio de perder a esposa num acidente de automóvel. Após esta perda, Ryan é obrigado fazer terapia de grupo para superar, de alguma forma, do desgosto que sofreu. Este grupo de apoio tem personagens muito “suis generis”.

Dele fazem parte o Mr. K (Brett Gelman), que é um grande mistério, uma vez que ninguém sabe o que lhe aconteceu para fazer terapia de grupo, pois todos têm medo de lhe perguntar que tipo de perda este teve.

A personagem Anne, interpretada pela Julie White, é uma advogada lésbica faz terapia de grupo para superar da morte da sua companheira.

O Owen, o regresso do Tyler James Williams, bem cohnecido do Everybody Hates Chris, é um membro que faz terapia pois o seu irmão está em coma, em virtude de ter sofrido um acidente de Ski.

O George (Bill Cobs) faz terapia pois é cego, é, também, o membro mais idoso do grupo.

A Yolanda (Suzy Nakamura) é um mebro que está a tentar superar do divórcio dos pais.

A Sonia (Sarah Baker) está em terapia pois a Cinderella, a sua gata, morreu.

O Danny (Seth Morris) faz parte deste grupo pois a sua mulher teve um filho de outro homem, enquanto o pobre Danny estava no exército a servir o seu país.

Ainda temos a Fausta (Tonita Castro) que perdeu o pai e o irmão.

A Lauren Schneider (Laura Benanti) é a psicóloga que toma conta deste grupo de pessoas.

Por último, temos o Steven (John Cho) que é patrão e melhor amigo do Ryan e a sua assistente, a Carrie (Allison Miller).

E é esta gente que o Ryan terá para o ajudar durante o período triste que está a viver.

Bem sei que Go On ainda está fresquinho, mas dos pouquinhos episódios disponíveis, eu gostei bastante do que vi. E promete melhorar. É um óptimo regresso do Matthew Perry e a mistura da comédia e e da parte mais dramática está muito bem conseguida.

Não posso fazer muitos comentários sobre a banda sonora, mas olhem… Já ouvi por lá Iron and Wine.

E pronto, está feito. Assim termino esta crónica. Até uma próxima!