Cemitério de Séries #5 – Médicas e Parques

Por algum motivo, as imagens que encontro não fazem jus ao quão engraçada a série é.

Olá! Parece que cá estou de volta com o Cemitério de Séries… De facto, nos últimos tempos não tenho visto muito. Em parte por falta de tempo, mas também porque não tenho encontrado nada que me prenda muito a atenção.

A excepção é The Mindy Project. The Mindy Project passa-se num pequeno consultório de ginecologia em NY e tem a protagonista mais cativante que encontrei nos últimos tempos. Mindy é um desastre em termos pessoais, egoísta mas uma óptima profissional e o resto da equipa está à altura de acompanhar as suas peripécias, o médico mal humorado, o médico bonitão, o enfermeiro engraçado, todos construídos para o humor (afinal é uma série de comédia) mas sem perderem algo de genuíno, sem se destruírem em prol de mais risos.

E sim, já andava desde o primeiro episódio que vi desejosa para falar disto aqui no IP!

Os enredos não são muito profundos, mas também não caem no lamechas. Por vezes aparece a concorrência do gabinete do andar de cima, uns tipos zen que fazem partos como antigamente (não sei se isto existe na vida real, mas I hope not) e esses são os meus episódios preferidos. Nos últimos dois meses, o episódio semanal de The Mindy Project tem sido um dos pontos altos do meu semestre preenchido (o que mostra a minha vida tão interessante).

Outra série que comecei foi Parks and Recreation, no dia em que gastei o stock de episódios da Mindy até à data.  Embora – pelo menos este início – não me tenha prendido muito, posso dizer que estou a gostar e que espero pelo menos acabar a primeira temporada. Que só tem seis episódios – sendo que um deles está à minha espera neste momento. Mas eu sou demorada a ver séries (hey, vejam o título destas crónicas).

Golden Globes 2013 – Quando as modas não são assim tão jeitosas (Comentário)

Numa noite onde o pessoal de SNL fez da cerimónia dos Golden Globes das melhores dos últimos anos (Tina Fey e Amy Poehler estiveram brilhantes no monólogo, acompanhados por Will Ferrell e Kristen Wiig num dos melhores momentos da noite), notou-se que há modas que pegam e que não largam. E se, no ano passado, parece que Glee acabou o seu ciclo, outro começou.

Melhor Drama

Boardwalk Empire (HBO)
Breaking Bad (AMC)
Downton Abbey (BBC)
Homeland (Showtime)
The Newsroom (HBO)

Comecemos pelo melhor drama. Numa categoria onde a falta de Mad Men é gritante (a entrada de The Newsroom não se percebe), dar o prémio a Homeland é algo que não se percebe. É o novo coqueluche dos prémios, já se percebeu. Para mim não é a melhor série em activo, nem de perto, mas, e se nos Emmys, apesar de discordar veementemente, achar que a série teve uma temporada brilhante, nesta segunda temporada, analisada pelos GG, nem de perto nem de longe se chegou a tal. E, dos 5 nomeados, a única série que tem sido brilhante, regularmente brilhante, é Breaking Bad. Entre Mad Men e Breaking Bad o meu coração pende para a segunda, mas tentando ser imparcial, não consigo decidir quais das duas são melhores. Mas sei que, comparando as temporadas que se passaram em 2012, tanto Breaking Bad como Mad Men tiveram bastantes furos acima da transformada em “chorona” e “maricas” Homeland. Porque, a partir de Q&A, não tivemos uma série…tivemos algo que fazia verter lágrimas. Ou tentar…

Continuar a ler

MALTA– os Momentos Altos (e Lows) da TV deste Ano – por Sara Deodato

Eu sou um bocado suspeita para estar a falar de séries assim como uma especialista, dizendo o melhor e pior do ano, visto que que só este ano é que realmente me agarrei às séries. Sim, sempre fui menina de ver filmes e nunca sentia a vontade de me comprometer em ver todos os episódios de uma série. Dava muito trabalho.

Depois lá decidi que era tempo de me agarrar a estas coisas e comecei a ver séries que, ou já estavam na minha lista há meses (ou anos) ou que me foram aconselhando ao longo do ano. Por isso é que, provavelmente, vão achar estranhas algumas das minhas escolhas, mas hey, foi o que andei a visionar este ano, tá? Além disso, eu sou uma pessoa complicada de escolher apenas uma coisa de que goste, logo vai haver mixordias para aqui. Continuar a ler

MALTA– os Momentos Altos (e Lows) da TV deste Ano, por Joana Aleixo

E porque o ano está quase quase mesmo a acabar, aqui fica uma breve lista das séries que marcaram este ano, enquanto espectadora.

Melhor série: Mad Men

Imagem

A quinta temporada da série chegou em grande com um Zou Bisou Bisou, que não  conseguimos tirar da cabeça. O seu tom mais sombrio, ao longo de 13 episódios, permitiu um muito interessante desenvolvimento  de várias personagens como Pryce, Joan, Peggy, Roger, num misto de situações que incluem suicídio, prostituição, uso de drogas, depressão.  Megan Draper ganhou um papel bastante central, descurando outras personagens, já o que para muitos fãs da série pode ter sido o “dealbreaker”, mas a meu ver foi interessante observar e conhecer Megan e a sua relação com Don que é, por si só, um desafio. Mad Men é uma série com uma narrativa inteligente, sendo fenomenal também a nível cinematográfico.

 

Melhor episódio: The Debate, Parks and Recreation

Imagem

O que dizer deste episódio? Foi fenomenal. Sem dúvida o melhor da temporada desta série de comédia. No decorrer de uma temporada dedicada à campanha de Leslie para o City Counsil de Pawnee (um arc demasiado prolongado, na minha opinião), chega The Debate, escrito e realizado por Amy Poehler. Leslie Knope tem um discurso final fantástico, inteligente, doce e persistente, que ilustra bem a sua personalidade e o seu amor por Pawnee, que não parece cessar. É um momento bem emocionante. Mas não é só desta personagem que este episódio é feito: outras personagens como Andy Dwyer, Perd Harpley, Joan Calamezzo, Bobby Newport e Brandi Maxxxxxxx, têm a sua oportunidade de brilhar, com momentos muito engraçados a que já nos habituaram.

 

Maiores desilusões: Dexter e Nashville

ImagemImagem

Estava indecisa entre colocar Dexter e How I Met Your Mother mas a última já sugou todo o meu interesse ao passo que não vou perder tempo a explorar dissabores. Dito isto, o que raio aconteceu com Dexter esta temporada? Está claro que a série está longe da obra-prima que foi a quarta temporada mas tem conseguido cativar-me mesmo com os momentos menos bons. Mas esta temporada foi fraca. Aborreceu-me o que é algo que eu nunca desejo do Dexter, que sempre mostrou momentos mais emocionantes de me pôr a tremer e a querer mais. Não aconteceu nesta temporada. É triste. Mostrou potencial no seu início mas foi-se desvanecendo, apesar da season finale ter trazido surpresas e novas histórias. Veremos o que a nova temporada trará.

Nashville por sua vez é uma autêntica novela que não ata nem desata e começa a desinteressar cada vez mais espectadores. O seu pilot mostrou potencial mas tem-se perdido.

Surpresas do ano: New Girl e Go On

ImagemImagem

Aqui coloco as séries que mais me surpreenderam de forma positiva neste ano de 2012. Go On mostra imenso potencial apesar de ser uma série com um conceito bastante simples. É divertida e sabe explorar momentos mais emocionantes. Recomendo. Já New Girl, agora no seu segundo ano, teve um início bem tremido mas depois descolou a todo o gás, com o tom certo, e já mostrou episódios muito divertidos, com um elenco com uma química muito especial. Tornou-se numa das minhas favoritas.

Maiores expetativas para o ano de 2013: Girls e Breaking Bad

ImagemImagem

 

 

 

 

 

 

 

 

Estou entusiasmada pelo regresso de Girls. A avaliar pelo trailer que já foi lançado, é possivel que vá ser melhor ainda que a primeira temporada com uma dose extra de loucura. Apesar de todos os seus problemas (white people problems), mostrou imenso potencial e se tornou umas séries do ano, nem que seja pelo hype à sua volta. Estou curiosa e espero ansiosamente por dia 13 de Janeiro. BREAKING BAD, MEU DEUS. Faltam apenas 8 episódios para o seu fim. É preciso dizer mais alguma coisa?

 Bom ano de 2013! A novos e excelentes momentos televisivos. 

MALTA – os Momentos Altos (e Lows) da TV deste Ano – por Jorge Pontes

Desde de nos empaturrarmos com os doces de Natal, o momento para a reflexão começa a tornar-se cada vez mais real. O ano de 2012 está a acabar e perguntamo-nos, “Que aconteceu este ano que vale a pena falar?”, e, nesse sentido, apresento-vos, no dia de hoje, as minhas escolhas para este ano. Estará o leitor pronto para mais uma aventura? Sigamos para a partida. Leve mantimentos e muita água, nunca se sabe que obstáculos surgirão à nossa frente.

  • MELHOR SÉRIE: Breaking Bad

isto é uma série

Poderia aqui colocar Sherlock ou Game of Thrones que são, claro, mercedores deste “prémio”. Mas não. “Breaking Bad” foi (e é) a série deste 2012 por uma razão muito simples: a sua história que se assemelha a um jogo de xadrez. As personagens estão, cuidadosamente, bem delineadas e os seus discursos são da maior qualidade. Todas elas se juntam para transformar uma história sem sal num dos melhores dramas da actualidade. E, melhor que isso, a primeira parte da quinta temporada não mostrou sinais de bonança… preparou-nos para a tempestade.

  • MELHOR EPISÓDIO: Game of Thrones 2×09 – Blackwater

Game of Thrones 2x09 - Blackwater

O segundo ano desta grande série mostrou-se bem mais madura e com vontade de nos mostrar um pouco mais deste mundo. Preparou-nos para algo épico. E o resultado? O melhor episódio de 2012. Conjugou acção, suspense, ansiedade, imprevisibilidade e, acima de tudo, uns belos efeitos especiais que só vieram mostrar que esta história não só tem potencial como é capaz de grandes feitos e de grandes momentos.

  • MELHOR REGRESSO: Parks and Recreation

Parks and Recreation, a comédia optimista

“Parks and Recreation” começou a meio gás. Cresceu e evoluiu para se tornar numa das melhores comédias da actualidade e a prova disso foi este início de quinta temporada. As personagens parece que se reinventam, o “novo” casal tem uma dinâmica espectacular e depois temos Ron. É preciso dizer mais?

  • MAIORES EXPECTATIVAS: Fringe/Haven

Fringe

Perguntará o caro leitor o porquê de “Fringe” figurar nesta categoria. Por um lado, estamos na temporada final e, por outro, devo pôr um pouco de parte alguns dos episódios desta temporada que apenas servem para nos preparar para o grande final. Estou em pulgas para ver as últimas 3h desta grande série que me maravilhou durante 4 longos mas emocionates anos.

Já “Haven”, apesar de ter começado (muito) mal este seu terceiro ano, arranjou maneira de o espectador esquecer aqueles pequenos precalços para nos dar um ou outro grande episódio. A história adensa-se, o mistério está cada vez mais envolto num véu azul e as personagens, a pouco e pouco, revelam as suas verdadeiras intenções e o seu verdadeiro passado. Estando neste estado, acha que não estou expectante para o final desta terceira temporada?

  • SÉRIE MAIS MÉH: 2 Broke Girls

2brokegirls

A primeira temporada desta série cativou-me de uma maneira que nunca pensei. Avancei para a segunda sem grandes expectativas e dou por mim, ao nono episódio, com vontade de desistir dela. Não estou farto mas também não é o “boom” que sempre quis ser. Estou cansado destas séries que se fazem fáceis para ganharem público. E se ela sobreviver à machadada de inverno que vou dar na minha lista, por favor, levem-me a uma jornada de limpeza da mente porque não estou bem, de certeza.

  • SURPRESA DO ANO: Go On

images (1)

Nesta lista não poderia faltar esta minha série de estimação. Começámos a Fall Season um pouco sem saber para onde íamos mas, quatro episódios depois, a série soube pegar no seu potencial e entrar não só na lista das melhores comédias estreantes como alguns dos seus episódios figurarem na lista dos favoritos do ano. Palavras para quê?

  • DESILUSÃO DO ANO: How I Met Your Mother/The Big Bang Theory

How I Met Your Mother

A desilusão para com estas duas séries cai cada vez mais. Tínhamos boas histórias, personagens interessantes e bons momentos, semana após semana. E agora o que temos? Duas séries cansadas, a andar sempre à volta de uma rotunda e nunca saem da sua zona de conforto com medo que o seu potencial (aquele que ainda existe) se possa perder. Sem chama e com muito fumo, vão sobrevivendo na CBS porque dão dinheiro porque a qualidade é um avião que já voou há alguns anos atrás.

Depois desta grande viagem, que me resta dizer? Que 2013 me traga novos grandes episódios e que as séries alimem as arestas e os vértices tão bicudos que teimam em picar o espectador com os seus piores momentos ou maus episódios. E, para o caro leitor, envio do Algarve os meus votos de boas entradas. Até lá.

Uma retrospectiva.

Quero antes de mais felicitar o Imagens Projectadas por ter vencido o prémio de Melhor Iniciativa nos TCN Blog Awards. Apesar de eu não ter contribuído diretamente para a Iniciativa, fico contente que o blog tenha sido reconhecido. É um orgulho fazer parte deste projeto.

Este post serve para não só fazer uma retrospectiva desta temporada so far, das séries que tenho acompanhado sendo elas novas ou não – nota: são mais comédias do que drama, mas também para desvendar o que vem aí em 2013.  Continuar a ler

Codename: Diversão

Rir é o melhor remédio“. Não, não é. Quem foi o idiota que pensou nisso, sequer? De certeza que não percebia nada de Medicina. Rir não é o melhor remédio, mas ajuda. Assim, estava eu a pensar sobre o que havia de escrever desta vez, até que me surgiu uma ideia. “E se eu escrevesse só sobre séries de comédia?“. E porque não? Fugindo aos dramas e aos policiais, hoje falo só sobre séries que nos fazem rir… ou nem tanto.

Para começar em grande, duas palavras: Arrested Development. Já falei desta série numa das minhas crónicas aqui no Imagens Projectadas, quando ainda só tinha visto meia dúzia de episódios. Entretanto, já acabei de ver tudo e já percebo porque é que é uma série de culto tão famosa e tão adorada. A series finale – que se veio a revelar há algum tempo que afinal não o é – foi uma despedida em grande, cheia de referências ao episódio piloto. Foi um episódio cheio de bons momentos, com destaque para o regresso do Annyong e para a reacção da Lindsay a descobrir que afinal é adoptada… e que tem quase 40 anos. Tenho pena de não ter visto esta série mais cedo, porque agora podia revê-la em 2013, antes de estrear a próxima temporada – pela qual estou bastante ansioso. Como será a dinâmica entre os actores 6 anos depois? Será que a série vai conseguir manter o nonsense que tanto a caracterizava? Será que vai continuar após esta quarta temporada? Veremos…

Outra grande série é Go On. Sim, eu sei que ainda é muito recente e dizer que é uma grande série pode ser um bocado precipitado, mas reparem: Go On é mesmo muito boa. Neste momento é, juntamente com Parks and Recreation e Community, uma das minhas comédias favoritas. Não comecei com as melhores expectativas em relação a esta série, mas a cada episódio que passa, os personagens cativam-me cada vez mais e eu fico mais afeiçoado a eles. O último episódio foi centrado em Owen e na forma como ele utiliza os jogos para fugir da realidade, para fugir do facto do seu irmão mais velho estar em coma. Com a ajuda de Ryan e com muito jogo à mistura, Owen conseguiu finalmente vencer o receio de visitar o irmão. Enquanto isso, Yolanda parecia estar pronta para fazer a sua graduação… mas aparentemente não foi capaz de se separar do grupo. Go On é uma série simples mas divertidíssima e a única coisa que está a faltar é mesmo um episódio sobre o Mr. K.

Parks and Recreation continua uma série fantástica, mas o episódio anterior deixou-me com alguma comichão interior. A intriga entre Leslie e April pareceu um bocado vazia. Não sei, podia ter sido melhor aproveitada. Fiquei com a sensação que essa parte da história nem foi terminada. E esse mistério do roubo dos computadores? Serviu só para arranjar contexto para convencerem o Andy a não seguir (pelo menos para já) a carreira policial? Uma coisa faz sentido, sim: Andy (que, ou é impressão minha ou está a ficar mais idiota de episódio para episódio – mesmo embora ele tenha sempre sido um bocado idiota) terá mais potencial como segurança do que como polícia. E já que estou numa de perguntas, o que é que está a acontecer com How I Met Your Mother? O episódio em que Barney arranjou um cão como wingman foi uma lástima e este último, bem, este último foi uma autêntica ridicularização do Nick, pobre coitado. Ele sempre foi assim tão burro, ou foi só neste episódio? Enfim, apenas continuo a acompanhar a série em honra das primeiras temporadas e porque ainda sinto muita empatia pelos personagens. E tenho alguma esperança, também.

Como nota final, foi lançada há uns dias a colecção completa de Friends em Bluray. Para amantes de Bluray e de Friends, é algo a não perder. Para mim, que sou um amante de Bluray e nunca vi Friends (não me atirem pedras, por favor), é, sem dúvida, uma óptima oportunidade. Talvez no Natal “compre” esta delícia e veja de uma vez por todas esta óptima série. Sim, porque sei que é uma óptima série, embora nunca tenha visto mais que pedaços de episódios soltos.

E pronto, acho que por hoje é tudo. Não se esqueçam: rir faz bem à saúde e comédias americanas é do melhor que há para desanuviar, por isso peguem nelas e divirtam-se!