Séries Para o Verão, por Raquel Silva

New Girl

Quando penso em séries para ver no Verão penso em personagens divertidas, irreverentes, que nos façam rir e sorrir com as suas aventuras na vida quotidiana. Jess é isso e muito mais: é a New Girl no apartamento 4D, a rapariga excêntrica que vive com três rapazes. O pseudo-romance cola-nos ao ecrã, a alegria contagia as nossas vidas e a querida Zoey faz-nos apaixonar a cada pequeno episódio. Sem dúvida adequada ao Verão.

Jess tem sempre uma palavra certa – ainda que sempre aparentemente fora de qualquer contexto -, uma canção pronta e um sorriso escancarado para qualquer situação. Também tem os seus momentos dramáticos – a separação do namorado, a perda do emprego -, mas a forma como encara a vida é, definitivamente, a melhor atitude possível em dias de verão. E depois esta rodeada por três homens que depressa passam de desconhecidos a grandes amigos, cada um com as suas loucuras e peculiaridades. E Cece, a melhor amiga de infância que está sempre ao lado dela.

Na primeira temporada vamos conhecendo melhor Jess, os seus ataques de excentricidade, e ao mesmo tempo o mulherengo Schmidt, o estranho Winston e o irresponsável Nick. Bom, nenhum deles é, efectivamente, apenas uma destas coisas, como a segunda temporada se encarrega de nos mostrar. Schmidt tem coração, consegue gostar apenas de uma pessoa, enquanto Winston descobre pessoas ainda mais estranhas que ele. Já Nick… se já gostávamos da sua ingenuidade e daquele ar perdido que tinha nos primeiros episódios, apaixonamo-nos verdadeiramente por ele quando o vemos a tomar as rédeas da sua vida (amorosa também), aos poucos. Como (por) Jess.

O romance eminente é perfeito para as quentes noites de verão, depois de longos dias de praia, em que apenas queremos relaxar em frente à televisão ou ao computador. Vibramos com as trocas de olhares, o badalado beijo que os transtorna, a eles, e até a nós nos põe em expectativa, e ainda com o “sim”/”não” de uma relação cheia de dúvidas. No fundo nós, fãs, nunca temos tantas dúvidas. E sentimo-nos a viver um verdadeiro romance de verão, que se vai desenrolando de dia para dia.

Mas o bom humor dos curtos episódios de vinte e poucos minutos ainda os torna mais imperdíveis – a vontade de fazer uma maratona “New Girl” atravessa todas as mentes. São pequenos, directos, fazem rir e deixam-nos ir dormir mais felizes – ou sair à noite com vontade de dançar, ou ainda ir para a praia descansar depois de ver mais uma aventura da nossa querida Jess. As hipóteses são infindáveis e a escolha é difícil, e isso é bom sinal: a série coloca-nos no centro do apartamento e faz-nos viver um bocadinho as vidas daqueles quatro… Jess e os Rapazes. Para ver ou rever no verão, hoje e sempre. E continuar a acompanhar nas temporadas seguintes.

Séries para o Verão, por Inês Brito

Férias é sinónimo de descanso, tempo livre e, acima de tudo, redução dos esforços ao máximo, e eu gosto de levar isso bastante a sério, até mesmo no que respeita a séries. Fazer o mínimo possível no que toca a este assunto é possível, no entanto, está subordinado a meios muito concretos: uma televisão, canais com séries e um sofá onde uma pessoa possa estar comodamente deitada. E passo a explicar…

Eu detesto ver televisão. É um facto. Não tenho paciência. Posso até estar a olhar para o ecrã enquanto faço qualquer coisa no computador, mas se me perguntarem o que é que se passou, muito provavelmente, não vou saber responder. Ah, e como se não bastasse, sou daquele tipo de criaturas que obriga alguém a ver séries comigo para não me sentir sozinha e ter que comentar. Também sou do tipo que “spoila” se já tiver visto o episódio e, no caso de não me deixarem contar, fico tipo cãozinho excitado, a torturar, até que me deixem contar. Em suma, sou horrível. Chegada esta altura do ano em que as séries que eu sigo, assim como eu, estão de férias, há que tentar potencializar aquilo que passa na televisão da melhor forma, de modo a conseguir ver séries na TV, com a companhia por mim exigida. Infelizmente quem sofre com isto é o meu irmão (mais novo, lógico, caso contrário dava-me uma lapada nas trombas e ia tratar da vidinha dele), que me acompanha naquilo que eu gosto de chamar “séries à preguiçosa”. Outro fator que também influencia todo este complexo esquema é a tipologia de séries a procurar. É tempo de férias, gente, queremos algo que estimule o mínimo possível a nossa capacidade de pensar, que não incentive a especulações mirabolantes acerca do que se passa no episódio seguinte ou ao longo do próprio episódio e, acima de tudo, algo que nos faça rir, já que para chorar temos o resto do ano todo. O único esforço exigido é ao início do processo, em que devemos selecionar cuidadosamente qual as séries em concreto a ver.

Ora, posto isto, quais as características preferenciais de uma “série à preguiçosa”? Ser de comédia, fácil de interpretar, que dê para rir mesmo que o episódio já tenha sido visto uma ou duas vezes, e, de preferência, que os episódios não tenham uma relação muito relevante entre si, para que se possa vê-los salteados sem perder grande coisa. E que séries se encaixam nesta tipologia? Isso é bastante simples: Happy Endings, The Middle, Modern Family, The Big Bang Theory, Men at Work, e outras quantas que correspondam às características e que passem na Fox, Fox Life, AXN e demais canais do género. Podem sempre optar por ver uns episódios de Chuck, mas só se estiverem dispostos a aumentar a atividade cerebral qualquer coisa, mas eu, confesso, nem sempre tenho capacidades para tanto. Levo isto das férias mesmo muito a sério.

No caso concreto de pessoas que não têm os meios referidos para levar este projeto avante, também tenho uma sugestão para vocês. Se quiserem tentar experimentar alguma série para começar a ver seguida quando ela retornar, seguindo a mesma lógica do mínimo possível, não optem por séries que têm 176863428763 temporadas. Perde-se muito tempo, torna-vos irritados porque enquanto estão a meio de um episódio já querem ver o que se passa no seguinte, deixa-vos noites sem dormir, estimula em demasia a vossa capacidade de concentração e não é isso que se quer em tempo de férias. Gente, descansem, não se passem com coisas destas, não vale a pena. Peguem num New Girl, num 2 Broke Girls, ou ainda melhor, num Bunheads, que só tem uma singela temporada e retrata a vida dumas miúdas que dançam umas cenas com umas piadolas lá no meio. Para aqueles que gostam de aproveitar as férias para engolir tudo o que é séries, rever Friends e outras coisas assim que demoram 50 anos a ver, não tenho respeito por vocês. E as férias também não. Ide trabalhar, seus…seus…seus desprezadores do mínimo e do nada.

Eu sei que esta proposta não é muito ambiciosa, mas o que é que vocês querem? Estou de férias e gosto de as respeitar. Não digo que isto funcione com toda a gente, mas comigo e com o meu irmão até tem dado. E é da maneira que consigo pôr os olhinhos por mais de dois minutos na televisão (que eu começo a achar que não me acha muita piada a mim também…).

Upfronts 2013: Fox – Uns quantos erros e poucas mudanças

Depois de ontem ter sido a vez da NBC, chega (com um dia de atraso) as novidades da FOX. A emissora americana trouxe algumas surpresas, sendo a principal o conceito de Late Fall, onde faz alterações no horário. Mas o melhor é começar a analisar diariamente:

Segunda-Feira

Nas segundas, a FOX inicialmente coloca Bones seguida da nova série, Sleepy Hollow, que explora uma história de um cavaleiro sem cabeça. O trailer (em baixo) é engraçado, e a série até pode resultar depois de Bones.

A FOX pelo menos espera isso, visto que lá para Outubro, em vez de Bones é Almost Human que faz parelha com Sleppy Hollow. O drama futurista, que tenta ter piada no trailer, é um procedural que irá explorar um futuro onde robots e humanos trabalham em conjunto…sinceramente, pode resultar, mas não será brilhante. Talvez por causa do J.J.Abrams se safe, apesar de que as ideias dele já não valem grande coisa.

Continuar a ler

Golden Globes 2013 – Quando as modas não são assim tão jeitosas (Comentário)

Numa noite onde o pessoal de SNL fez da cerimónia dos Golden Globes das melhores dos últimos anos (Tina Fey e Amy Poehler estiveram brilhantes no monólogo, acompanhados por Will Ferrell e Kristen Wiig num dos melhores momentos da noite), notou-se que há modas que pegam e que não largam. E se, no ano passado, parece que Glee acabou o seu ciclo, outro começou.

Melhor Drama

Boardwalk Empire (HBO)
Breaking Bad (AMC)
Downton Abbey (BBC)
Homeland (Showtime)
The Newsroom (HBO)

Comecemos pelo melhor drama. Numa categoria onde a falta de Mad Men é gritante (a entrada de The Newsroom não se percebe), dar o prémio a Homeland é algo que não se percebe. É o novo coqueluche dos prémios, já se percebeu. Para mim não é a melhor série em activo, nem de perto, mas, e se nos Emmys, apesar de discordar veementemente, achar que a série teve uma temporada brilhante, nesta segunda temporada, analisada pelos GG, nem de perto nem de longe se chegou a tal. E, dos 5 nomeados, a única série que tem sido brilhante, regularmente brilhante, é Breaking Bad. Entre Mad Men e Breaking Bad o meu coração pende para a segunda, mas tentando ser imparcial, não consigo decidir quais das duas são melhores. Mas sei que, comparando as temporadas que se passaram em 2012, tanto Breaking Bad como Mad Men tiveram bastantes furos acima da transformada em “chorona” e “maricas” Homeland. Porque, a partir de Q&A, não tivemos uma série…tivemos algo que fazia verter lágrimas. Ou tentar…

Continuar a ler

MALTA– os Momentos Altos (e Lows) da TV deste Ano – por Sara Deodato

Eu sou um bocado suspeita para estar a falar de séries assim como uma especialista, dizendo o melhor e pior do ano, visto que que só este ano é que realmente me agarrei às séries. Sim, sempre fui menina de ver filmes e nunca sentia a vontade de me comprometer em ver todos os episódios de uma série. Dava muito trabalho.

Depois lá decidi que era tempo de me agarrar a estas coisas e comecei a ver séries que, ou já estavam na minha lista há meses (ou anos) ou que me foram aconselhando ao longo do ano. Por isso é que, provavelmente, vão achar estranhas algumas das minhas escolhas, mas hey, foi o que andei a visionar este ano, tá? Além disso, eu sou uma pessoa complicada de escolher apenas uma coisa de que goste, logo vai haver mixordias para aqui. Continuar a ler

MALTA– os Momentos Altos (e Lows) da TV deste Ano, por Joana Aleixo

E porque o ano está quase quase mesmo a acabar, aqui fica uma breve lista das séries que marcaram este ano, enquanto espectadora.

Melhor série: Mad Men

Imagem

A quinta temporada da série chegou em grande com um Zou Bisou Bisou, que não  conseguimos tirar da cabeça. O seu tom mais sombrio, ao longo de 13 episódios, permitiu um muito interessante desenvolvimento  de várias personagens como Pryce, Joan, Peggy, Roger, num misto de situações que incluem suicídio, prostituição, uso de drogas, depressão.  Megan Draper ganhou um papel bastante central, descurando outras personagens, já o que para muitos fãs da série pode ter sido o “dealbreaker”, mas a meu ver foi interessante observar e conhecer Megan e a sua relação com Don que é, por si só, um desafio. Mad Men é uma série com uma narrativa inteligente, sendo fenomenal também a nível cinematográfico.

 

Melhor episódio: The Debate, Parks and Recreation

Imagem

O que dizer deste episódio? Foi fenomenal. Sem dúvida o melhor da temporada desta série de comédia. No decorrer de uma temporada dedicada à campanha de Leslie para o City Counsil de Pawnee (um arc demasiado prolongado, na minha opinião), chega The Debate, escrito e realizado por Amy Poehler. Leslie Knope tem um discurso final fantástico, inteligente, doce e persistente, que ilustra bem a sua personalidade e o seu amor por Pawnee, que não parece cessar. É um momento bem emocionante. Mas não é só desta personagem que este episódio é feito: outras personagens como Andy Dwyer, Perd Harpley, Joan Calamezzo, Bobby Newport e Brandi Maxxxxxxx, têm a sua oportunidade de brilhar, com momentos muito engraçados a que já nos habituaram.

 

Maiores desilusões: Dexter e Nashville

ImagemImagem

Estava indecisa entre colocar Dexter e How I Met Your Mother mas a última já sugou todo o meu interesse ao passo que não vou perder tempo a explorar dissabores. Dito isto, o que raio aconteceu com Dexter esta temporada? Está claro que a série está longe da obra-prima que foi a quarta temporada mas tem conseguido cativar-me mesmo com os momentos menos bons. Mas esta temporada foi fraca. Aborreceu-me o que é algo que eu nunca desejo do Dexter, que sempre mostrou momentos mais emocionantes de me pôr a tremer e a querer mais. Não aconteceu nesta temporada. É triste. Mostrou potencial no seu início mas foi-se desvanecendo, apesar da season finale ter trazido surpresas e novas histórias. Veremos o que a nova temporada trará.

Nashville por sua vez é uma autêntica novela que não ata nem desata e começa a desinteressar cada vez mais espectadores. O seu pilot mostrou potencial mas tem-se perdido.

Surpresas do ano: New Girl e Go On

ImagemImagem

Aqui coloco as séries que mais me surpreenderam de forma positiva neste ano de 2012. Go On mostra imenso potencial apesar de ser uma série com um conceito bastante simples. É divertida e sabe explorar momentos mais emocionantes. Recomendo. Já New Girl, agora no seu segundo ano, teve um início bem tremido mas depois descolou a todo o gás, com o tom certo, e já mostrou episódios muito divertidos, com um elenco com uma química muito especial. Tornou-se numa das minhas favoritas.

Maiores expetativas para o ano de 2013: Girls e Breaking Bad

ImagemImagem

 

 

 

 

 

 

 

 

Estou entusiasmada pelo regresso de Girls. A avaliar pelo trailer que já foi lançado, é possivel que vá ser melhor ainda que a primeira temporada com uma dose extra de loucura. Apesar de todos os seus problemas (white people problems), mostrou imenso potencial e se tornou umas séries do ano, nem que seja pelo hype à sua volta. Estou curiosa e espero ansiosamente por dia 13 de Janeiro. BREAKING BAD, MEU DEUS. Faltam apenas 8 episódios para o seu fim. É preciso dizer mais alguma coisa?

 Bom ano de 2013! A novos e excelentes momentos televisivos. 

Uma retrospectiva.

Quero antes de mais felicitar o Imagens Projectadas por ter vencido o prémio de Melhor Iniciativa nos TCN Blog Awards. Apesar de eu não ter contribuído diretamente para a Iniciativa, fico contente que o blog tenha sido reconhecido. É um orgulho fazer parte deste projeto.

Este post serve para não só fazer uma retrospectiva desta temporada so far, das séries que tenho acompanhado sendo elas novas ou não – nota: são mais comédias do que drama, mas também para desvendar o que vem aí em 2013.  Continuar a ler