Alfabeto das Séries: D

Cá estou eu novamente, desta vez para falar das séries começadas pela letra D. Nesta rubrica baptizada de Alfabeto das Séries, procuro aprender um pouco mais sobre séries que não conheço e dar a conhecer novas séries aos leitores do Imagens Projectadas. Comecemos, então.

  • Doctor Who, (1963–1989, 1996, 2005– ), BBC, Parada.

doctorwhoDoctor Who é o amor da minha vida. Não me canso de falar sobre esta série, mas por uma questão de simplicidade, posso redireccionar-vos para um artigo que escrevi sobre Doctor Who num blog onde fui convidado. Com 50 anos feitos há uns dias, esta série não deixa de inovar e de me surpreender, ocupando por isso o posto de série favorita na longa lista de séries que vejo.

Classificação:
starstarstarstarstar

  • Dexter, (2006–2013), Showtime, Terminada.

Dexter

Dexter é uma série sobre um analista forense especializado em padrões de dispersão de sangue que trabalha no Departamento de Polícia de Miami e nos tempos livres é também um assassino em série. Com 8 temporadas e um total de 96 episódios, Dexter começou em glória e acabou em desgraça. Há quem discorde, mas na minha opinião, Dexter teve quatro temporadas fantásticas e depois começou a piorar, terminando com um final que parece não ter agradado a ninguém. O que aconteceu com esta série foi uma pena, mas apesar da queda de qualidade, é preciso não esquecer a enorme fama que Dexter teve nos primeiros anos.

 Classificação:
starstarstarstarstar

Continuar a ler

Anima-te!

Olá, sou a Joana e como falar de séries com humanos é muito vulgar venho falar de séries com bonequinhos ou animes, se preferirem. Como ainda sou uma aspirante nestas coisas espero que me perdoem qualquer erro ou confusão.

Antes de começar a falar a sério sobre algum anime vou falar-vos da minha experiência, que não é muita mas é alguma.

Não sou do tipo de pessoas que passa horas em frente ao pc ou televisão a comer séries, mas com os animes foi diferente. Desde muito pequena que vejo anime, aliás atrevo-me a dizer que toda a gente já viu, pelo menos, um anime: Dragon Ball, Sailor Moon, Pokémon, todos eles são animes e todos nós conhecemos frases tão épicas como: “Kame hame ha!” ou “ Em nome da lua, vou castigar-te!”.

Eu via incessantemente Sailor Moon, era completamente viciada (ainda sou e sempre que tenho tempo vou vendo episódios random), o mundo de fantasia deixava-me encantada, a diferença entre o bem e o mal e, claro, as personagens são mesmo kawaii. Entretanto, sempre fui vendo Dragon Ball, Cavaleiras do Zodíaco, Pokémon, ou seja, os mais conhecidos.

Tudo neles é exagerado: os olhos grandes e brilhantes quando estão felizes, os “símbolos” que aparecem ao lado dos rostos para mostrarem raiva ou embaraço, as mudanças de vozes etc. Outra coisa gira é que conseguimos encontrar animes para todos os gostos. Eu sou uma esquisita em relação a tudo e consegui! Acção, aventura, comédia, tudo! E há animes que conseguem misturar os géneros todos. A inteligência dos senhores de Death Note ou as guerreiras engraçadas de Sailor Moon colaram-me ao pc. E com o fascinada que fiquei queria sempre ver mais, infelizmente a falta de tempo não me deixou/deixa.

Não se espantem se não acharem que um anime seja grande coisa depois de verem o primeiro episódio. Alguns deles demoram quase 100 episódios até se tornarem interessantes (ok, exagerei). Foi o que me aconteceu, em parte, com One Piece. Os primeiros episódios contam apenas a história de como a tripulação se forma, a seguir é que começa a história em si.

Por acaso fiquei espantada quando vi animes com mais de 500 episódios e que tinham sempre episódios a sair. Claro que, também há animes só com 40 episódios e se vêem num instante. Se forem muito rápidos e não gostarem de esperar pelos episódios podem ir lendo os mangas que estão sempre mais avançados.

E foi mais ou menos assim que descobri a dimensão deste mundo. Onde há convenções de cosplay e milhares de milhões de animes para serem vistos.

E não se atrevam a ver um anime noutra língua que não seja japonês! Fujam de coisas dobradas e afins.

P.S. – Se estiverem interessados podem ver Death Note e Dragon Ball na SIC Radical.