Series-Gazing XXVI: E depois da Fall Season…?

Estamos já a pouco mais de 72h do Natal, aquela época maravilhosa em que os miúdos recebem as suas prendas, a família tenta estar toda reunida e tenta sorrir apesar de alguns desamores que possam existir e algumas dificuldades em trazer as coisas à mesa, mas o que importa é o espírito de paz que as une e reúne naquela casa, com ou sem lareira, com ou sem radiador, naquela sala onde está a árvore e se passa a meia-noite com o maior alvoroço. É assim todos os anos, e por mais que nos queiram roubar isso, tudo volta a acontecer. Digamos que é a magia do Natal.

Convido-o, pois, a sentar-se comigo durante uns 10 minutos, nada mais do que isso, e vejamos como foi a minha (e a sua, pois há sempre um comentário a fazer) Fall Season. Já tem o seu chá ou café prontos? Com o bolinho a acompanhar? Pois, no exacto momento em que lhe falo estou de viagem, e portanto, não se espante se eu desapareço por uns momentos. Eu vou tentar não me esquecer de pôr o sinal do “Volto Já”, não vá o caro leitor pensar que o abandonei.

The Crazy Ones

Devo dizer que a minha Fall Season, neste ano de 2013, foi diferente em todos os sentidos. Por um lado, quando esta tão interessante época começou decidi, na minha cabeça, analisar o maior número de pilotos que podia. E assim o fiz. Mal ou bem, notas baixas ou altas, está feito e até lhe digo que nem foram muitas as que me propus acompanhar. Das novas recordo-me de “The Crazy Ones”, “Once Upon a Time in Wonderland”, “Atlantis”, “Dracula” e “Sleepy Hollow”. Poucas? Eu sei que sim. O tempo, muitas vezes, não estica. No que toca à categoria das que fazem parte da mobília da casa fiquei-me por “Once Upon a Time”, “American Horror Story”, “Modern Family”, e mais uma ou outra que agora me falham. Estão para depois “Almost Human”, “Masters of Sex”, “S.H.I.E.L.D”, “Reign” e “Haven” mas seguramente que as consumirei agora nas férias, apesar do estudo que ainda terei de fazer.

Foi uma Fall que eu esperava bem mais activa; se calhar, as apostas dos canais este ano estiveram muito em baixo ou se calhar, a minha paciência e o tempo livre estão cada vez mais pequenos, que quase preciso de um microscópio para os encontrar. No final de tudo, acabo por ficar com as que mais gosto, com as que mais prazer me dão a ver. É como o acto de beber um café: prefiro-o curto e bom, do que um longo e mau.

Eu não lhe disse que iam ser 10 minutos? E até sou capaz de lhe provar que nem chegou a tanto! Tenho a sensação que não desapareci. Ou desapareci? Bom, se não o fiz antes devo fazê-lo agora!

3…

Antes de me despedir com um “Boas Festas”…

2…

…quais foram as suas escolhas desta…

1…

…Fall Season?

Boas Fes………… (ligação perdida).

Alfabeto das Séries: A

Tal como prometido, aqui estou eu de volta com uma nova rubrica. Com o Alfabeto das Séries, pretendo percorrer todas as letras e falar um pouco das séries mais relevantes (não só das séries que vi por completo, mas também daquelas que nunca vi sequer um episódio). Assim, procuro aprender um pouco mais sobre séries que não conheço e dar a conhecer novas séries aos leitores do Imagens Projectadas. Nesta que é a primeira edição, falarei obviamente das séries começadas pela letra A.

  • Arrow (2012– ), The CW, Em exibição.

ARROW

Arrow, actualmente na sua segunda temporada, é a adaptação televisiva da banda desenhada Green Arrow, da DC Comics. Conta a história de Oliver Queen, um jovem playboy milionário que naufraga ao largo de uma ilha aparentemente deserta e volta a casa cinco anos depois… mudado. Apesar das minhas incertezas, a primeira temporada esteve bem, com os seus altos e baixos, mas é boa de ver. Tem muita acção e muitas cenas de luta, mas por outro lado também tem muitos jovens bonitinhos (mas que não é surpresa para quem conhece as séries do CW) e uma narrativa um pouco novelizada.

Classificação:
starstarstarstarstar

  • Arrested Development (2003–2006, 2013– ), Fox/Netflix, Parada.

arrested

Arrested Development dispensa apresentações. Quem a viu sabe que é facilmente uma das melhores comédias alguma vez criadas e quem não a viu está mais que a tempo para entrar no mundo destas personagens. Depois de ser cancelada e ser reanimada pela Netflix anos depois, Arrested Development teve bastante mais visibilidade e uma continuação da quarta temporada está definitivamente em cima da mesa.

Classificação:
starstarstarstarstar

Continuar a ler

The Moodys Effect #16 O Fim

2012

Este tem sido um ano complicado a vários níveis, seja pessoal ou mesmo em termos gerais, de facto as coisas mudam tão rapidamente que por vezes nem damos por elas, ou só nos apercebemos quando tudo acaba. Mas não vale a pena  lamentar a nossa sorte, melhores dias virão. O que me traz hoje aqui é uma pequena retrospectiva sobre o ano que passou. Com algumas estreias relativamente marcantes, séries que terminaram e um futuro pouco promissor.

Mas antes disso quero agradecer o facto de ter sido nomeados nos TCN Blog Awards por um dos textos publicados nesta crónica mensal. Não ganhei, nem esperava, mas ver algo que escrevi levar algum reconhecimento é sem dúvida um orgulho, e portanto tenho de agradecer sobretudo ao Guerra por me ter convidado para fazer parte deste projecto.

E agora vamos olhar para alguns momentos marcantes, sem grandes descrições mas que de alguma forma foram deixando as suas marcas nas várias séries do ano que agora está a terminar.

Continuar a ler

Hits & Flops #11 Happy Thanksgiving

Olá a todos, sejam bem-vindos à coluna de opinião (nome engraçado e comprido) do Imagens Projectadas. Todos os domingo eu, Miguel Bento, e o António Guerra , traremos os Hits e os Flops da semana que passou. O melhor e o pior em termos de televisão americana e britânica. Por isso, e sem mais atrasos, vamos embora ao que interessa.

Esta semana voltamos regressados de uma pausa e novamente alone e inundado peloThanksgiving americano que fez parar as séries quase todas, ou apenas em alguns dias. Esta foi a safra da semana que passou:

Continuar a ler

Hits & Flops #9 – Top Gear, Fringe e Political Animals

Olá a todos, sejam bem-vindos à coluna de opinião (nome engraçado e comprido) do Imagens Projectadas. Todos os domingo eu, Miguel Bento, e o António Guerra , traremos os Hits e os Flops da semana que passou. O melhor e o pior em termos de televisão americana e britânica. Por isso, e sem mais atrasos, vamos embora ao que interessa.

Numa semana bastante afectada pelo furacão Sandy, ficam aqui os estilhaços (bons e maus) que ficarão.

Continuar a ler

Series-Gazing XVII

Inicia, hoje, o penúltimo mês do ano. Com poucas séries na carteira, não consigo deixar de olhar para a minha lista e pensar naqueles dias de Inverno em que me enrosco na cama, com o computador à minha frente, e me perco no meio de tantos episódios para ver. E perco-me, no meio de tanto trabalho e rotina, a querer aqueles dias de secundário onde não fazia coisa alguma limitando-me apenas a ver o tempo passar, as coisas a serem feitas e a divertir-me bastante com a quantidade de programas que acompanhava. Eu próprio me chamava de louco. E os meus colegas… enfim, fartos estavam da minha conversa sobre séries. E que de bom ficou deste tempo? Pois bem, cresceu um pequeno bichinho da crítica, uma pequena alma, dentro de mim, que não vive sem a escrita, sem o comentário sobre uma história, sem a pequena reflexão que um caso me pode obrigar a fazer. E hoje, que consegui aquele tempo para escrever como há muito tempo não conseguia, um soriso parece ter-se estabelecido na minha face e parece não querer abandoná-la.

  • American Horror Story: A série voltou e conseguiu superar as expectativas. A primeira temporada parece um conto de fadas comparada com a loucura que se vive neste hospício. Cada recanto é mais obscuro que o outro e as personagens muito mais complexas e cheias de segredos. 2 episódios já foram… é pedir de mais querer voltar a Briarcliff?
  • Dexter: A sétima temporada parece querer redimir-se da desgraça das duas anteriores. Apesar de ainda só ter visto o primeiro episódio, não deixei de ficar curioso quanto ao que aí vinha e cá me parece que vai ser uma temporada quas e a chegar ao nível da mítica quarta.
  • Fringe: Apesar de ainda nos encontrarmos num ritmo lento, a série tem conseguido construir uma história sólida e tem conseguido jogar com as personagens de forma exímia. Vamos ver como tudo se compõe.
  • Once Upon a Time: Tendo sido a melhor estreia da temporada passada, Once Upon a Time parece não querer abandonar a qualidade que a caracterizou. Apesar da personagem principal ainda fazer alguma comichão, a história e as personagens evoluíram e, como tal, a história está num novo patamar e estou a adorar cada bocado.
  • Parks and Recreation: A melhor comédia da actualidade. É preciso dizer mais alguma coisa?

Apesar de acompanhar poucas, posso dizer que estou a acompanhar boas séries. O tempo não estica, é certo, mas até ao momento em que terei tudo actualizado vou-me contentando com as histórias que, na temporada passada, me fizeram rir, sonhar, pensar e até sofrer com algum suspense e medo. Manter-se-á a qualidade destas histórias? Acredito que sim. Afinal, grandes mentes estão por detrás destes produtos.

Hits & Flops #7 – American Horror Story, Once Upon a Time e Homeland

Olá a todos, sejam bem-vindos à coluna de opinião (nome engraçado e comprido) do Imagens Projectadas. Todos os domingos (sim, de novo excepcionalmente à segunda. O coisas do António atrasou-se) eu, Miguel Bento, e o António Guerra , traremos os Hits e os Flops da semana que passou. O melhor e o pior em termos de televisão americana. Por isso, e sem mais atrasos, vamos embora ao que interessa.

A ultima semana de estreias efectivas da Fall Season, sem nada de mais a apontar e com alguns cancelamentos já garantidos começam os reforços nas que se vão aguentando.

Continuar a ler