Uma retrospectiva.

Quero antes de mais felicitar o Imagens Projectadas por ter vencido o prémio de Melhor Iniciativa nos TCN Blog Awards. Apesar de eu não ter contribuído diretamente para a Iniciativa, fico contente que o blog tenha sido reconhecido. É um orgulho fazer parte deste projeto.

Este post serve para não só fazer uma retrospectiva desta temporada so far, das séries que tenho acompanhado sendo elas novas ou não – nota: são mais comédias do que drama, mas também para desvendar o que vem aí em 2013. 

Para ter isto mais organizado decidi fazer uma seleção por canal:

  • A presente (e última, snif snif) temporada de 30 Rock (NBC) está a evoluir de forma muito interessante, a juntar todas as peças para compor o quadro, a indicar o caminho que vai dar ao derradeiro final. Apesar da ideia dolorosa de que está a chegar ao fim, a série mostra que não perdeu a chama, pois a escrita continua ótima, com histórias mirabolantes como é costume. É bom observar que a série vai ser enquanto está em altas em vez de se arrastar durante anos e anos (I’m looking at you, The Office).
  • Parks and Recreation a meu ver, já teve dias melhores. Os episódios têm sido esquecíveis na sua generalidade. Talvez por estar sob ameaça de cancelamento (em que está desde a sua estreia, na verdade), sente-se a pressão de criar novas “parcerias” ou histórias que executadas não são tão bem conseguidas. A interação entre as tão diferentes personagens tem sido o trunfo de P&R mas isso só não chega, falta arrojo nas piadas. Parks sempre foi uma série com mais coração/emoção do que propriamente piada mas ultimamente falta momentos realmente cómicos. Espero que o final da temporada traga melhores momentos.
  • Gosto de Up All Night, é uma série que apesar de não ser extraordinária, entretém. Vejo sobretudo pelo elenco. A mudança da storyline afetou-me um pouco e para mim a série tornou-se ainda menos original quando decidiu acabar com o talk-show de Ava e colocou Reagan como stay-at-home mom. O talk-show (e a sua produção) trazia momentos bem mais engraçados e uma dinâmica de workplace engraçada que se perderam. Tornou-se numa série familiar, que permanece um pouco perdida, sem chama. Agora quando regressar na Primavera com o novo formato (para multi-cam) veremos como esta série se vai aguentar.
  • Quanto ao drama, Parenthood tem até feito as pedras da calçada chorar. Esta temporada está a ser fantástica, bem emocionante. É um bom drama familiar que merece mais atenção.
  • Go On tem sido uma boa surpresa. Estou a gostar da evolução da série. Gosto imenso do conceito da série, terapia de grupo, o encontro de pessoas muito distintas entre si que desenvolvem boas relações de amizade. A série tem piada, mas penso que o seu grande trunfo é a química entre o elenco, resulta em combinações muito interessantes. Espero que a série aposte nessa vertente. Gosto muito do John Cho mas ainda não percebi muito bem o que faz ali. Preferia ver mais das outras personagens de grupo de terapia, considerando que esse é o “coração” da série.
  • Das novas séries da ABC só tenho acompanhado Nashville é uma telenovela muito aborrecida. A escrita é fraca, os atores idem. As coisas que eu faço por ti, Connie Britton. A actriz ainda não mostrou o seu verdadeiro esplendor mas é interessante vê-la como country star, em lides diferentes do futebol e das loucuras do American Horror Story. Tenho vontade de pôr esta série na gaveta pois não há nada que me suscite o interesse. Não há paciência para triângulos amorosos adolescentes e dramas familiares.
  • Don’t Trust The Bitch in the Apartment 23 tem apresentado bons episódios, bem cómicos e originais, sem medos, mostrando cada vez mais potencial (vamos esquecer que estão a exibir episódios da 1ºtemporada no meio, que têm um feel diferente dos mais recentes). 
  • Happy Endings por sua vez está a desiludir-me. Está a tornar-se muito repetitiva, não desenvolvendo devidamente as histórias, e não têm sido tão hilariantes como a temporada anterior.
  • Suburgatory! Não vejo muita gente a falar/comentar sobre esta série o que é uma pena porque tem imenso potencial mesmo não sendo extraordinária. Tem um elenco bastante bom, as piadas são boas. Até agora, esta temporada não tem desiludido. 

 

  • Na FOX, The Mindy Project era a série com que estava mais entusiasmada, por causa da Mindy Kaling (que escrevia para The Office), mas ao final de 9 episódios o veredito ainda está por decidir. Quando começa o episódio, este parece prometedor, mas à medida que o tempo passa perde a chama, a série não prende, o interesse desvanece-se. Torna-se muito fácil desligar-se da série, que não consegue distanciar-se dos clichés e das personagens muito estereotipadas, unidimensionais, que constrói. Há uma mistura de ideias interessantes que quando exploradas resultam em algo estranho que não é nem engraçado ou homogéneo; é sim confuso. Por ser ainda muito recente ainda está a explorar o seu tom, a sua abordagem mas espero que, como aconteceu com New Girl, The Mindy Project melhore, tornando-se mais genuína criando momentos e relações mais realistas.
  • New Girl tem evoluído muito bem, tem sido consistente desde o início da temporada, ao apresentar episódios muito divertidos, resultado numa dinâmica de 5 pessoas cada vez mais em sintonia, que se entrega a cada piada. 
  • Raising Hope tem sido uma boa surpresa,  esta temporada. Penso que é uma série muito pouco valorizada considerando que as storylines são cada vez mais arrojadas, num bom equilíbrio entre a comédia e a emoção.
  • No canal Showtime, Dexter tem-me desiludido muito esta temporada. Tem vindo a ficar menos criativa na execução da suas histórias, não conseguindo prender o espectador. Existem demasiadas ideias no ar, mas resultam sempre no mesmo: Dexter escapa à polícia e o seu “trabalho” nunca é descoberto. Esta temporada parecia promissora, com imenso potencial uma vez que é aberto caminho para Debra descobrir a identidade do irmão como assassino, tentando mais tarde protegê-lo, encobri-lo e colocar-se a si própria em perigo. À parte de um vilão interessante e da storyline da LaGuerta, tudo o resto foi fraco (Edit to add: o final da temporada até foi bom. Gostei. Tal como na temporada passada, deixou um gostinho na boca em vez de se fechar em completo).

Estou atrasada em outras séries como The Good Wife (CBS) e Homeland (Showtime), pelo que não posso fazer uma apreciação justa. How I Met Yout Mother (CBS) já está na gaveta e lá vai ficar até ao último episódio da série. Tem durado e durado, tornando-se já exaustiva a incapacidade de criar storylines de qualidade, com graça.

Aguardo ansiosamente, como não podia deixar de ser, pelos Golden Globes cujas nomeações para a categoria de Televisão saíram ao lado, que terão como anfitriãs Tina Fey e Amy Poehler. Ganhe quem ganhe, vai ser com certeza uma cerimónia muito divertida!

Do que aí vem, estou entusiasmada pelo regresso de Girls (HBO), Episodes (Showtime, ainda sem data anunciada), Cougar Town (ABC) e Community (NBC).

Bom Natal!

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s