A Série da minha Vida – The X Files (por Miguel Bento)

I Want to Believe!

Esta é a frase chave que acompanha a série desde os primeiros momentos, é nesta premissa que se baseia X Files e todo o percurso que as personagem percorrem ao longo de 9 fantásticas temporadas. A série criada por Chris Carter estreada em Setembro de 93 foi um fenómeno quase imediato, que mudou a forma de fazer tv e sobretudo trouxe o sobrenatural e o fantástico para a tv de uma forma completamente descomplexada e saindo do espectro do ‘horror’ como era habitual até aí. É para mim a série das séries, foi a primeira que me deixou viciado e a esperar ansiosamente que a tvi voltasse com mais temporadas durante os anos 90, canal que a exibia em Portugal.

O Conceito

A série centra-se em dois agentes do FBI que investigam fenómenos paranormais ou casos que não têm lógica aparente. Mulder e Scully juntam-se como agentes ‘marginalizados’ no FBI para investigar estes casos. A série é, na sua maior parte, um procedural em que os casos e os monstros da semana são o destaque, mas a originalidade e a desmistificação de muitas das histórias e mitos urbanos que conhecemos acabam por transformar a série em algo mais. Cada episódio é quase um filme, em que temos o inicio princípio e o fim onde ficam as duvida e se põe em causa tudo aquilo em que acreditamos.

O plot central

A série apesar de ser um procedural tem de fundo uma grande história que mete Aliens, conspirações governamentais, e muitas figuras sinistras que vão percorrendo a série nos episódios chave. A série começa exactamente na fixação de Mulder pelos Aliens por uma razão simples, ele acredita que a sua irmã mais nova terá sido raptada e toda a sua busca e determinação assentam nessa ideia para descobri o porquê e onde ela estará. Durante as primeiras temporadas vamos assistindo ao desenrolar de algumas destas conspirações e o evoluir de toda a história dos protagonistas. Scully que é basicamente o olhar científico e que não quer acreditar será levada pela própria conspiração.

As personagens

Fox Mulder (David Duchovny) é no fundo a figura central de toda a série, é ele que busca incessantemente e quase de forma paranóica a verdade por detrás das teorias da conspiração. Esta obsessão acaba por chocar directamente com o próprio FBI ao qual tem de responder e que o controla. Ao longo da série a personagem acaba por descobrir muitos dos segredos, mas como nada vem sem um preço acabará por ser ele próprio usado e constantemente afastado dos casos e da sua própria busca. A personagem persiste como regular até à temporada 7, nessa altura o actor terá pedido para abandonar a série, mas a sua relevância é tal que continuamos a ter a sua presença de forma esporádica na série até ao final.

Dana Scully (Gillian Anderson) é o lado céptico da série, é ela que tenta colocar a razão em Mulder e é ela que tenta provar sempre cientificamente os fenómenos. Claro que esta faceta se irá diluindo ao longo da série e conforme se vê confrontada com a verdade acaba por ser levada na demanda de Mulder com as devidas consequências. A relação pessoal com este é um dos focos importantes da série, percebe-se que existe química que a relação deles passa o lado profissional, mas só a meio da série é dado enfoque amoroso. Scully acabará involuntariamente envolvida na conspiração governamental e ganha assim também ela o protagonismo que Mulder tem no inicio.

Outras personagens

A série é rica em participações pontuais de algumas figuras e outras mais regulares entre eles o agente Walter Skinner (Mitch Pillegi) que é o director do departamento do FBI que tem de controlar Mulder nas suas investigações, mas ele próprio é meio ambíguo, entre manter-se fiel aos seus princípios e ceder às pressões de entidades superiores. Acaba por no fim de contas sair ileso na conspiração e em certos momentos defender Mulder e Scully de perigos maiores.

Uma outra figura que aparece ao longo da série é o sinistro The Smoking Man (William B. Davis) que é para mim talvez um dos mais bizarros, aparece sempre a fumar e de surpresa nos momentos chave, percebe-se que tem um grande poder no FBI na própria conspiração, mais tarde percebemos que o que o move  é mais do que aparenta e que a sua relação com Mulder é ela igualmente relevante.

Mais tarde na série na 8ª temporada surgem dois novos agentes do FBI que na realidade pretendiam substituir Mulder e Scully, pois os actores começavam a querer afastar-se mais da série para seguirem carreiras cinematográficas: John Doggett (Robert Patrick) e Monica Reyes  (Annabeth Gish). Apesar de sofrerem um pouco o estigma de substitutos as presenças de ambos foram bem conseguidas e deram um novo fôlego à serie, mas não foram suficientes para manter as audiências elevadas e a série acabou na 9ª temporada.

Os filmes

A série foi de tal modo um sucesso que não demorou a chegar aos cinemas um primeiro filme The X-Files: Fight the Future, que serviu de ponte entre a quinta e a sexta temporada. Confesso que vi o filme antes do final da quinta temporada, devido aos atrasos que a tv portuguesa tinha em exibir séries, no entanto não é de todo necessário seguir a série, apesar do contexto geral obviamente poder não se entender totalmente. O filme é bastante movimentado e abre parte da conspiração que ao longo das temporadas ia sendo dado de forma mais subtil, tem muito mais acção que a série e percorre cenários e eventos que talvez a série não fosse tão longe. Gostei particularmente do filme e é nele que é dado o grande passo na relação afectiva dos protagonistas, infelizmente com um twist que envolve abelhas…

Alguns anos após a série terminar em 2008 surgiu um novo filme The X-Files: I Want to Believe, neste caso o filme sai completamente fora do espectro da série e dá-nos uma história independente e que acabou por não ser do agrado dos fãs, sendo um flop de bilheteira. Ainda se falou de um terceiro filme que iria voltar a pegar na história base da série, mas com os resultados deste segundo filme essa possibilidade é remota.

Concluindo

Esta é uma série para quem gosta de conspirações e de histórias bem contadas. É um universo cheio de momentos fantásticos e personagens curiosas. Tal como Lost o fez nos anos 2 mil, X files foi a série que mudou a forma de ver e fazer tv nos anos 90, é um marco importante que quebra definitivamente com a tv dos anos 80 muito tipicamente policial e com personagens muito banais. Para quem quiser saber mais aconselho estes artigos do Tv Dependente que mostram muita da variedade de monstros e criaturas que serviram alguns de inspiração para séries como Supernatural, não haverá melhor forma de resumir a série que esta lista:

http://tvdependente.net/2010/08/25-monstros-da-semana-de-the-x-files-13/

http://tvdependente.net/2010/08/25-monstros-da-semana-de-the-x-files-23/

http://tvdependente.net/2010/08/25-monstros-da-semana-de-the-x-files-33/

Tentei deste modo e por partes resumir a série sem revelar demasiado, espero que possa contribuir para que surjam mais fãs da série, muito fica por dizer é certo, mas quem vê irá perceber porque é que esta é uma das melhores séries de todos os tempos.

Anúncios

One thought on “A Série da minha Vida – The X Files (por Miguel Bento)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s